Curiosidades

10 fatos realmente nojentos sobre a vida dos romanos

Redação
Postado por Redação

Roma é tida por todos nós como palco para as mais incríveis batalhas e histórias de nossa imaginação. Afinal, quem nunca assistiu a um clássico de gladiadores com seus valores de honra e coragem, enfrentando os perigos mais mortais e pensou como poderia ser uma honra viver nesta civilização?

Pois é. E por mais que pareça uma civilização glamourosa, com sistema de saneamento moderno e técnicas inovadoras de medicina, muitos outros pontos eram muito difíceis e Roma tinha de fato algumas verdades muito nojentas. Veja a seguir 10 fatos totalmente nojentos sobre a vida dos romanos:

10 – As pessoas lavavam muitas coisas com urina

Sim, isso é verdade. Inclusive o governo estabeleceu impostos sobre a venda de urina, de modo que existiam comerciantes que faziam sua renda apenas coletando a mesma.

Havia urinóis onde as pessoas poderiam coletar urina, e sabe qual era o uso do xixi? Lavar roupas, limpar a casa e até mesmo escovar os dentes.

Que nojo!

9 – Pessoas compartilhavam o mesmo “papel higiênico” nos banheiros

Arqueólogos descobriram que os banheiros públicos eram simplesmente um nojo na Roma Antiga. Neles, além da falta de privacidade, havia dúzias de esponjas, que eram os papeis higiênicos da época que, todavia, eram compartilhadas entre várias pessoas para se limparem (ou se sujarem mais).

8 – Você podia morrer no banheiro

Além do fedor, você podia morrer asfixiado pelo gás metano em excesso, o que fazia muitos banheiros explodirem.

Outras mortes aconteciam pelo fato de terem criaturas rastejantes e cobras venenosas que pudessem morder e matar as pessoas enquanto faziam suas necessidades em poucos minutos.

Simplesmente assustador!

7 – Sangue de gladiador era usado na medicina

As pessoas acreditavam que o sangue dos gladiadores era a chave da cura para epilepsia, por isso muitos vendiam o sangue dos gladiadores mortos, até mesmo seus órgãos que eram comidos crus. Muitos ainda bebiam o sangue dos gladiadores decapitados e segundo os registros históricos, essa prática terrível parecia ter funcionado e curado os pacientes de epilepsia.

6 – As mulheres usavam células mortas de gladiadores para cosméticos

Por mais nojento que possa parecer, as células mortas dos gladiadores era vendida para a confecção de cremes e afrodisíacos.

Na antiga Roma, o sabão era difícil de encontrar, então os atletas se limpavam cobrindo seus corpos em óleo e raspando as células mortas da pele com uma ferramenta chamada estrigil. Essa sujeira oleosa era vendido como creme de rosto e as mulheres eram as principais clientes do produto.

5 – Pompeia era repleta de arte obscena

Mesmo após a erupção do vulcão que devastou a cidade, os arqueólogos puderam achar um tipo de arte totalmente incomum enterrada nas profundezas. As imagens eram tão obscenas, mas tão obscenas e detalhadas que não vieram a público, porém revela muito da cultura do local.

4 – Pênis para todo o lado

O pênis era o símbolo da boa sorte e por isso muitos colares com vários pênis de cobre, ferro, prata ou ouro eram confeccionados e as pessoas andavam com eles em torno de seus pescoços.

As pessoas desenhavam pênis em estradas ou entradas de cidades, porque acreditavam que eles manteriam o viajante seguro.

Se fosse nos dias de hoje, teria um significado extremamente cômico.

3 – Um peculiar jeito de resolver as coisas

Roma tem a distinção única por ter tido a primeira maneira hilária de resolver as coisas.

Flavius Josefo, um sacerdote judeu, escreveu que durante a páscoa havia acontecido um motim em Jerusalém. Os soldados romanos estavam vigiando caso houvesse alguma revolta e um soldado fez algo inesperado: “Ele retirou as vestes, virou-se de costas, soltou um pum de mau cheiro e o ofereceu como sacrifício” – segundo as palavras de Josefo. Primeiro quiseram punir o soldado, porém o tumulto em Jerusalém aderiu a esse gesto, que pareceu funcionar por milhares de anos.

2 – Romanos vomitavam para que pudessem continuar comendo

Há registros, principalmente vindos de Sêneca, de que os romanos em seus fartos banquetes vomitavam com frequência para que pudessem continuar comendo.

Naquela época era educado comer muito e fartar-se, porém a situação era bem nojenta caso estivessem bêbados, chegando vomitar até mesmo nos empregados e escravos que os serviam.

1 – Energéticos eram feitos com esterco de cabra

O esterco era muito utilizado na medicina, principalmente em bebidas energéticas para casos de emergência. Eles ferviam o esterco no vinagre e bebiam para livrar-se da exaustão.

De acordo com Plinio, quem mais gostava desse tipo de bebida era o imperador Nero.

Fonte: misteriosdomundo

Comentários

comentários


Deixe um comentário