Após morte da funkeira MC Atrevida, médico declara; ‘Morreu porque tinha que morrer’

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Responsável por fazer um procedimento estético na funkeira MC Atrevida, o médico Wilson Ernesto Garlaza Jara prestou depoimento nessa segunda-feira (3), em Vila Isabel, no Rio de Janeiro. O equatoriano chegou em uma cadeira de rodas, pois sofreu um AVC recentemente.

Em depoimento, Wilson disse que já realizou mais de 4,6 mil procedimentos do tipo e que MC Atrevida “morreu porque tinha que morrer, já que são circunstâncias da vida”. De acordo com o delegado à frente do caso, André Neves, a investigação pode identificar crimes além do erro médico, como a imputação de um fato delituoso.

Leia a matéria completa no Metrópoles, parceiro do Portal Manaus Alerta