Avanços na mobilidade urbana e esportiva marcam o Dia Municipal do Ciclista

Foto: Altemar Alcantara/Semcom

A Lei nº 072/2017, sancionada pelo prefeito Arthur Virgílio Neto, que institui o Dia Municipal do Ciclista, completou três anos nesta terça-feira (25). A data é uma das inúmeras iniciativas de valorização aos amantes da bicicleta que vêm sendo realizadas pela Prefeitura de Manaus, agregando mobilidade urbana e esportiva, como as ciclovias, ciclorrotas, ciclofaixas, velódromo e eventos.

“Completamos três anos da lei que institui o Dia Municipal do Ciclista, sancionada pelo prefeito Arthur Virgílio Neto, como mais uma de suas muitas iniciativas de valorização ao esporte, seja para descobrir novos talentos, para fazer com que nossos atletas alcancem um alto nível ou mesmo para o lazer e qualidade saudável de vida da população”, destacou o diretor-presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), Cláudio Guenka, que tem vistoriado o andamento das obras.

Após a conclusão, as estruturas serão repassadas à Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), que coordena os projetos de esporte e lazer do município.

Até o final do ano, Manaus terá o dobro de infraestrutura voltada exclusivamente para os ciclistas. Os atuais 38 quilômetros de ciclovias e ciclofaixas virarão 85,5 quilômetros com a implantação de mais 47,5 quilômetros do mobiliário urbano. As obras vão incluir ainda a construção de ciclofaixas e ciclorrotas, além de fazer o resgaste histórico com a construção de um velódromo, após mais de um século do primeiro.

“Há uma série de obras esportivas em andamento na cidade, como quadras, campos, além do incentivo ao uso da bike, incluindo ciclofaixas e ciclovias e o próprio velódromo, que já alcança 75% de execução. Ou seja, se pensarmos bem, é um investimento não apenas em esporte e lazer, mas em mobilidade e no próprio conceito de planejamento urbano, moderno e inteligente, que esta gestão está deixando para Manaus”, acrescentou Guenka.

Ciclovias e ciclofaixas

A implantação das novas ciclovias e ciclofaixas está em andamento, concentradas atualmente na avenida Governador José Lindoso, conhecida como avenida das Torres, entre as zonas Leste e Norte. No local, estão sendo construídos 15,8 quilômetros de ciclovia e ciclofaixa, considerando o caminho de ida e volta.

Já o percurso que abrange as avenidas Senador Álvaro Maia, Brasil e segue até a Ponta Negra, contará com 24,7 quilômetros de ciclovia e ciclofaixa. Separadas por sinalização específica, as ciclofaixas serão implantadas à direita da via e serão compartilhadas com os demais veículos.

Diferentemente da ciclofaixa padrão, que é à direita, a ciclofaixa recreativa será implantada à esquerda da pista. O espaço funcionará como o projeto Faixa Liberada da Ponta Negra, aos domingos de 6h às 12h, e a pista será isolada com cones e agentes de trânsito orientarão os motoristas, para que os ciclistas possam pedalar em segurança.

A prefeitura esclarece que a circulação de ciclistas nas áreas recreativas ainda não está liberada. Após a conclusão, a ideia da Semasc é isolar as áreas recreativas com cones e profissionais capacitados para orientar as pessoas interessadas em pedalar ou se exercitar nos espaços, nos moldes do que acontecia na avenida Coronel Teixeira, com a “Faixa Liberada na Ponta Negra”.

A avenida das Torres receberá quatro quilômetros de ciclofaixa recreativa e a avenida Itaúba, no Jorge Teixeira, zona Leste, serão três quilômetros e cem metros. O projeto será executado com a participação de grupos de pedais e um dos coordenadores da atividade será a Associação de Alto Giro Ciclo, do qual Marcelo Correia é presidente.

“A ciclofaixa recreativa, como já diz o nome, é uma faixa de recreação. E a ideia é usar a estrutura desses espaços para realizar diversos eventos e atividades. Assim vamos levar informação para que mais pessoas possam conhecer o mundo e os benefícios que a bicicleta nos promove”, contou Marcelo Correia.

Velódromo

Com atuais 75% de execução da obra, o novo velódromo de Manaus fará um resgaste histórico para o esporte da cidade. Após 120 anos a capital amazonense voltará a contar com uma estrutura própria para a prática do ciclismo de pista, podendo assim, revelar novos talentos e a realizar grandes eventos.

Com 30 anos dedicados ao ciclismo, o assessor esportivo Gil Machado é entusiasta do novo velódromo de Manaus e para ele a obra será um marco para o esporte na cidade. Gil já revelou inúmeros atletas, que conquistaram títulos importantes como campeonatos amazonenses, Norte-Nordeste, brasileiro, Pan-Americano, entre outros.

“Eu sempre vejo com bons olhos a construção desse velódromo. Aqui, poderemos buscar crianças mais cedo, porque teremos uma estrutura adequada e segura para trabalhar com elas. É de se destacar esse investimento feito pela Prefeitura de Manaus, nunca tinha visto isso em 30 anos de carreira. Vale reforçar que o ciclismo é o segundo esporte que mais premia nas Olimpíadas, então é importante olhar com atenção para a formação de novos atletas”, disse Gil.

Prevista para ser entregue em setembro, a obra atualmente conta com a execução de serviços na arquibancada da quadra de tênis, passarela, muro externo, regularização da área externa da quadra para concretagem, forro dos prédios administrativos e execução das redes externas de elétrica e drenagem.

Eventos

Não só com estrutura a Prefeitura de Manaus promove o ciclismo na cidade, mas também com a realização e apoio em eventos ciclísticos, como o Passeio Ciclístico Cidade de Manaus, o Manaus 24h Bike Race, entre outros.

O Manaus 24h Bike Race foi um desafio lançado pelo prefeito Arthur Neto aos ciclistas da cidade, para que pedalassem, ininterruptamente, por 24 horas seguidas, sem parar, nas modalidades solo, dupla, quarteto e sexteto. O evento foi realizado pela primeira vez em 2019 e foi considerado um sucesso pelos participantes.

(*) Com informações da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc)