Braguinha, empresário e mecenas do esporte, morre aos 94 anos

Morreu, nessa terça (12) em Portugal, o empresário brasileiro Antônio Carlos de Almeida Braga, aos 94 anos. Após se destacar nos ramos de seguros e financeiro, Braguinha, como era conhecido fez fama como mecenas do esporte brasileiro. Financiou atletas e times profissionais de vôlei, iniciando o movimento que tornaria o País uma potência mundial no esporte. Era próximo de personalidades como Pelé, os pilotos Ayrton Senna e Emerson Fittipaldi e o tenista Gustavo Kuerten.

O mecenas apoiou a carreira do maior tenista da história do País desde o início. No bicampeonato no Aberto da França, em Roland Garros, em 2000, um dos destaques da trajetória de Guga, o empresário recebeu um agradecimento especial no discurso da vitória.

No mundo dos negócios, Braguinha chamou a atenção pelo trabalho nos anos 1970 e 1980. Herdeiro do grupo Atlântica Seguros, um dos maiores do setor no País na época, o empresário entraria para a alta administração do banco Bradesco ao negociar uma incorporação que daria origem ao Bradesco Seguros, em 1983.

Como resultado, Braguinha se tornou importante acionista do então maior banco do País, mas acabou se desfazendo do negócio cinco anos depois, vendendo sua participação a outros acionistas. O empresário fundaria depois o grupo Icatu, mas se aposentaria em seguida, passando a dedicar seu tempo a apoiar o esporte e acompanhar competições.

(*) Com informações da Exame