Brasil

‘Brasil virou câmara de gás a céu aberto’, diz manifesto de religiosos, sindicalistas e artistas

Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil

Sindicalistas, intelectuais e religiosos divulgaram uma carta neste sábado (6) na qual afirmam que o Brasil se tornou uma “câmara de gás a céu aberto” em razão da pandemia do novo coronavírus. As informações são do G1.

Segundo os organizadores da carta, o documento é assinado por centrais sindicais (Força Sindical, UGT, CSB, UT, CTB, NCST, CGTB, Pública, CSP Conlutas e Intersindical), sindicalistas o padre Júlio Lancellotti, coordenador da Pastoral do Povo de Rua, o teólogo Leonardo Boff e o cantor Chico Buarque (veja a lista abaixo).

Neste sábado (6), o país registrou 1.498 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas e chegou a 264.446 óbitos. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias chegou a 1.455, a maior desde o começo da pandemia.

“Nos tornamos uma ‘câmara de gás’ a céu aberto. O monstruoso governo genocida de Bolsonaro deixou de ser apenas uma ameaça para o Brasil para se tornar uma ameaça global”, afirma a carta.

“O Brasil grita por socorro. Brasileiras e brasileiros comprometidos com a vida estão reféns do genocida Jair Bolsonaro, que ocupa a presidência do Brasil, junto a uma gangue de fanáticos movidos pela irracionalidade fascista”, acrescenta o documento.

O G1 tentava contato com a assessoria de imprensa da Presidência até a última atualização desta reportagem.

Hospitais de todo o país estão superlotados, e os governadores afirmam que os estados estão “no limite”. Diante disso, pediram ao governo federal que adote medidas e procure organismos internacionais a fim de adquirir mais doses de vacinas.

Na semana passada, o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu em vídeo a vacinação em massa contra a Covid-19 e “primeiro, a saúde” porque “sem saúde, não há economia”.

A declaração foi dada no mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro xingou de “idiota” quem defende a compra de mais vacinas e acrescentou: “Só se for na casa da tua mãe”.