Polícia

Camelô preso por estuprar sobrinha, já teria abusado de 3 mulheres da mesma família

O homem foi autuado em flagrante por estupro de vulnerável- foto: Robson Adriano
Redação
Postado por Redação

A delegada Juliana Tuma, titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), representando a Polícia Civil do Amazonas, falou, na manhã desta quinta-feira (25), no prédio da Delegacia Geral, sobre a prisão, em flagrante, de um vendedor ambulante, de 55 anos, denunciado pela irmã dele, pelo estupro da própria sobrinha, uma criança de 7 anos.

Conforme a delegada Juliana Tuma, o criminoso está sendo investigado, ainda, por ter abusado sexualmente de mais três pessoas da família dele. Todas as vítimas são do sexo feminino, segundo a delegada. Ela explicou que a prisão do infrator foi efetuada pela equipe da Depca e contou com o apoio de policiais militares da 26ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom).

“O indivíduo foi abordado na tarde de quarta-feira (24), em um condomínio situado no bairro Santa Etelvina. Chegamos até ele após a mãe da vítima, irmã do infrator, nos procurar para formalizar o estupro. Ela nos informou que a criança teria afirmado que o tio introduziu os dedos nas partes íntimas dela no momento em que ele secava os cabelos dela”, explicou a delegada.

Criança chorando

Tuma esclareceu que o abuso teria ocorrido horas antes, por volta de meio-dia, na casa da avó da menina, situada no bairro Jorge Teixeira. Após o ato libidinoso, a criança foi encontrada chorando, pela prima, uma adolescente de 17 anos, no pátio da residência.

“Essa adolescente questionou o motivo do choro e a menina contou para ela sobre o abuso. Imediatamente a jovem comunicou a mãe da menina, que prontamente foi até a Depca denunciar o irmão. Diante da situação, saímos em diligência para localizar e prender o infrator”, argumentou Tuma.

A delegada informou ainda depois do crime, o vendedor fugiu da casa da mãe dele. “Identificamos o imóvel onde o infrator estava, no bairro Santa Etelvina, e efetuamos a abordagem. Ele demorou cerca de 40 minutos para abrir a porta e, quando perguntamos a razão da demora, ele disse que já sabia que era a polícia. Entramos no apartamento e foi dada voz de prisão a ele”, disse.

Exames

Exames Segundo a delegada, o infrator, em depoimento, negou as acusações, porém, o resultado do exame de conjunção carnal e coito anal, emitido pelo Instituto Médico Legal (IML), confirmou o estupro na criança. O laudo emitido atestou, ainda, que a vítima foi abusada mais de uma vez.

“Durante as diligências identificamos mais duas vítimas do camelô. Elas argumentaram que foram abusadas sexualmente quando crianças. Uma delas foi submetida a exame em 2016, que confirmou o crime. Todas elas têm vínculo familiar com o infrator. Ou seja, esse indivíduo vinha abusando sexualmente intergerações de mulheres da própria família”, pontuou a autoridade policial.

Autuação

O homem foi autuado em flagrante por estupro de vulnerável. Ele será levado para Audiência de Custódia no Fórum Ministro Henoch da Silva Reis, no bairro São Francisco. Para concluir, Juliana Tuma ressaltou que as investigações em torno do caso irão continuar, até que sejam apuradas as demais situações de possíveis estupros cometidos pelo homem na própria família.

Comentários

Deixe um comentário