Cidades

CDPF promove certificação de detentas em dois cursos da unidade

Os projetos são desenvolvidos pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e Umanizzare Gestão Prisional, para ressocialização e capacitação da população carcerária- foto: Stéfany Seixas/Assessoria Seap
Redação
Postado por Redação

Nesta quinta-feira (31), o Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF) realizou a certificação de 17 detentas em cursos dos projetos “Lisbela”, que consiste em promover um espaço de beleza e cursos profissionalizantes na área, e o “Mãos Livres”, que são produções de artesanatos em um ambiente para trabalhos terapêuticos e sociais. Os projetos são desenvolvidos pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e Umanizzare Gestão Prisional, para ressocialização e capacitação da população carcerária.

Para o secretário de Estado de Administração Penitenciária, coronel da Polícia Militar, Cleitman Coelho, os cursos tem um papel fundamental na rotina das internas, que podem transformar o tempo ocioso dentro da unidade em novos aprendizados. “O objetivo principal de iniciativas como essa, é desenvolver e estimular atividades que possam agregar conhecimentos necessários para que as mesmas utilizem quando retornarem a sociedade”, disse o secretário.

Ambos os cursos iniciaram no dia 16 deste mês e foram concluídos na data de hoje. No Lisbela, a etapa do curso foi voltada para depilação e designer de sobrancelhas. O projeto que profissionaliza as detentas em áreas de estética, através do salão de beleza, foi implantando na unidade em 2015 e qualificou, em agosto, nove mulheres que podem exercer os conhecimentos nesta área de beleza quando saírem do sistema prisional.

O projeto Lisbela já capacitou cerca de 90 mulheres nos módulos de corte e escova, manicure e pedicure, colorimetria, depilação e designer de sobrancelhas.

O módulo que foi promovido do projeto “Mãos Livres” foi a customização de sandálias, que capacitou oito internas. Os modelos confeccionados pelas detentas serão comercializados em lojas colaborativas e parte do valor será revestido para a aquisição de mais matéria prima para o artesanato das envolvidas no curso.

Com informações da assessoria

Comentários

comentários


Deixe um comentário