Centros de Convivência da Família e do Idoso estimulam protagonismo dos usuários

Foto: Miguel Almeida/Arquivo Seas
Promover a integração de famílias e comunidades, visando a convivência e sociabilidade da população em situação de vulnerabilidade e risco social por serviços de assistência, sob o paradigma dos direitos à proteção social pública de seguridade social e à defesa da cidadania dos usuários. Esse é o objetivo do trabalho realizado pelos sete Centros Estaduais de Convivência da Família e do Idoso, mantidos pelo Governo do Amazonas, sob o comando da Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas).

Dentro dos centros são ofertadas uma gama de oportunidades para jovens e adultos, incluindo cursos profissionalizantes, atividades esportivas, além de música, teatro e dança. O mesmo acontece com os idosos, que podem participar de grupos de convivência, bem como de atividades voltadas para a promoção da saúde, bem-estar e socioeducativas. O foco das ações é melhorar a qualidade de vida da comunidade na qual estão inseridos.

A diretora do Departamento de Proteção Social Básica (DPSB), Selma Melo, avalia que os Centros de Convivência têm como objetivo promover a integração dos serviços da rede socioassistencial do Sistema Único de Assistência Social (Suas). Para isso a Seas trabalha em parceria com outras secretarias estaduais, para que sejam ofertados cursos, atividades físicas e culturais para crianças, jovens, adultos, idosos e pessoas com deficiência.

Nesse serviço de convivência, a proposta, conforme Selma Melo, é oportunizar às famílias o fortalecimento de vínculos, como também contribuir para a capacitação profissional de jovens e adultos.

“Além de propiciar uma relação afetiva entre os vários grupos, oportuniza esse público a fazer atividades físicas, culturais, entre outras”, disse, ressaltando que os centros estão retornando gradativamente, seguindo as orientações da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM) e do Ministério da Saúde, ofertando um atendimento com os cuidados de segurança.

Aniversariantes do mês – O Centro Estadual de Convivência do Idoso (Ceci), situado no bairro Aparecida, zona sul de Manaus, completa 12 anos de funcionamento no dia 29 de agosto. O local oferece serviços e orienta os idosos sobre direitos e políticas socioassistenciais voltadas para esse público, que tem acesso a serviços como lazer, esporte, cultura e educação.

A diretora Ítala Rodrigues avalia que, ao longo desses 12 anos, o Ceci teve um papel fundamental e importante na vida dos idosos (envelhescentes), de proporcionar convivência e fortalecimento de vínculos.

“Muitos idosos vêm ao centro em busca de ter alguém para conversar, compartilhar suas vidas e suas experiências, e essa é a nossa missão, trabalhar a família desse idoso no sentido de que ela o valorize, respeite e faça valer seus direitos”, frisou.

Como no Ceci as atividades em grupo estão suspensas por conta do Covid-19, Ítala Rodrigues disse que será feita uma programação virtual para que o idoso participe e relembre os bons momentos passados no local, por meio de vídeos; aulão on-line de dança pelo Facebook com os professores de Dança da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa e do Ceci; live musical do Show do Zezinho Corrêa no Palacete Provincial com sorteio de brindes entre os usuários que comentarem durante o evento.

Alvorada – Outro aniversariante do mês foi o Centro Estadual de Convivência da Família (CECF) Maria de Miranda Leão, situado na rua Loris Cordovil, no bairro Alvorada I, zona centro-oeste de Manaus, que no último dia 7 completou 11 anos de atividades no atendimento a vários segmentos etários.

A unidade oferece serviços e projetos de acolhimento, convivência e socialização, voltados para o fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários, conforme regulamentam a Lei Orgânica de Assistência Social (LOAS), Lei nº 8.742/1993, e a Política Nacional de Assistência Social (PNAS/2004).

A diretora Kelly Tavares disse que o local tem como público-alvo a família, destacando o segmento de idosos. São realizadas atividades socioeducativas com grupos de convivência e o grupo Estimulando a Memória, que trabalha com a cognição.

“Temos dois grupos de convivência: Mais Ativos e Alegria, e o Estimulando a Memória, que são bastante prestigiados pelos comunitários”, informou, ressaltando que nesses 11 anos de atividades o centro tem contribuindo com a sociedade no sentido de juntar famílias e reduzir ocorrências dos riscos sociais.

(*) Com informações da Secretaria de Estado da Assistência Social (Seas)