Cerca de 2 mil pessoas são evacuadas de Jati após rompimento de tubulação na barragem do município

Foto: Foto: Darlene Barbosa/SVM

Moradores do entorno da barragem Jati, no interior do Ceará, foram retirados de suas casas preventivamente neste sábado (22) por conta do rompimento de uma tubulação, informou o Ministério do Desenvolvimento Regional. Segundo a pasta, 2 mil pessoas foram evacuadas e levadas para abrigos e casas de familiares. Não há registro de feridos.

Segundo informações do G1, a obra onde ocorreu o vazamento faz parte do Eixo Norte da transposição do Rio São Francisco, que foi inaugurado no dia 26 de junho pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

De acordo com o ministério, o vazamento aconteceu na sexta-feira (21) e já foi contido, mas, durante a noite e a madrugada, havia dificuldade de avaliação técnica da estrutura pela falta de iluminação. Os moradores estão sendo levados para hotéis, pousadas e alojamentos na região, diz a pasta. Eles também poderão ir para para casas de parentes.A pasta diz que não há risco de rompimento da barragem.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e o secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, coronel Alexandre Lucas, irão ao local nesta manhã acompanhar a situação na barragem. Especialistas em segurança de barragens e em gestão de riscos também compõem a equipe da Defesa Civil Nacional enviada ao local, conforme o ministério. Além deles, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), também comunicou que irá ao local neste sábado.

Vazamento

O vazamento ocorreu um dia depois de o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, abrir a comporta que libera água da barragem de Jati para o Cinturão das Águas do Ceará (CAC), um sistema do Governo do Ceará que abastece outras cidades do Ceará, inclusive da Região Metropolitana de Fortaleza.

“O que ocorreu é que a tomada d’água apresentou um vazamento, houve um rompimento. Esse jato d’água todinho é devido à pressão. A preocupação é que esse jato está sendo jogado na ombreira da barragem e tem o processo erosivo, [mas] que aparentemente não afeta a barragem”, disse o secretário de Recursos Hídricos do Ceará, Francisco Teixeira.

Após o rompimento, houve queda de energia no local, e as autoridades tiveram que esperar a chegada de um gerador para acionar o controle da comporta, disse o secretário.