O corpo do empresário Geraldo Sávio da Silva de 49 anos, primeira vítima fatal do novo coronavírus no Amazonas deverá ser cremado. O anúncio foi feito na tarde desta terça-feira (25), pelo governador Wilson Lima, durante o boletim diário de casos de Covid-19, no Estado.

Wilson Lima adiantou que o desejo da família é que o corpo de Geraldo seja cremado, o que está de acordo também com o que manda os protocolos de segurança que estão sendo adotados com os mortos na Itália, para evitar que o vírus se propague durante os funerais.

Houve casos na Itália, em que após realização dos funerais, parentes de pessoas já mortas por coronavírus, apresentaram infecção pela doença. Por outro lado, o Estado do Amazonas ainda não possui estrutura para realizar a cremação, que não é realizada pelo poder público, mas pela iniciativa privada.

Mas o governador informou que esteve em contato com um empresário que está construindo um crematório em Iranduba, e deve ficar pronto nos próximos dez dias. Nesse local será feito o procedimento com o corpo de Geraldo, o empresário de Parintins, que morreu no HPS Delphina Aziz, no início da noite de ontem (24).

“O corpo deve continuar em isolamento no Delphina Aziz, até que um estabelecimento que realizará esse processo e está sendo construído em Iranduba fique pronto. A esposa de Geraldo também testou positivo para o vírus e encontra-se em isolamento e estável”, detalhou o governador.

Portal Manaus Alerta