Covid-19: intervenção federal possibilita maior efetividade de ação, defende Eduardo Braga

Foto: Divulgação

O senador Eduardo Braga (MDB/AM) usou, nesta quinta-feira (14), suas redes sociais para sugerir intervenção federal na saúde pública do Amazonas. No recado, endereçado especialmente ao presidente Jair Bolsonaro e ao ministro Eduardo Pazuello, o parlamentar disse que seria recomendável o governo federal assumir o controle da área e montar uma “operação de guerra” para combater a Covid-19 no Estado.

Na última quarta-feira (13), Manaus bateu novo recorde de mortes pelo coronavírus, com registro de sepultamento de 198 pessoas nos cemitérios públicos e o Estado ultrapassou o número de mais de 5,8 mil mortos pela doença. “É desesperador ver o nosso povo sofrendo com falta de oxigênio, de leitos e atendimentos, no momento em que a Covid-19 mais uma vez invade o nosso Estado de uma forma devastadora e desesperadora”, acentuou o senador.

Eduardo Braga disse que não é o momento de criticar ou apontar o dedo para culpados pelo colapso na saúde. Ele disse também que tem mantido diálogo constante com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e defendido que a forma de ajudar o Amazonas, nesse momento crítico da pandemia, é mobilizar toda a estrutura do governo federal num verdadeiro “estado de guerra” contra a Covid no Estado.

O senador do MDB apontou duas soluções básicas para minimizar a situação na capital: estruturar os Serviços de Pronto Atendimentos (SPA´s) e as Unidades Básicas de Saúde (UBS´s) funcionando 24hs por dia, de domingo a domingo. “Com essas duas medidas, além da ação de levar oxigênio aos hospitais e remover pacientes mais graves através de aeronaves para outras cidades, criamos mecanismos práticos e objetivos para enfrentar a Covid”, disse.

─ O que não dá é a gente continuar assistindo o desespero das pessoas morrendo por falta de oxigênio e por falta de atendimento, e não tomarmos uma providência. Fica aqui o meu apelo ao presidente Bolsonaro, ao governador Wilson Lima, ao prefeito David Almeida e ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello -, finalizou o senador Eduardo Braga.

Com informações da assessoria de imprensa