Criador de marca é acusado de assédio sexual e pedofilia

Foto: Brechó Replay

As acusações de assédio sexual, abusos e pedofilia contra o empresário Eduardo Costa, fundador do coletivo Brechó Replay, estão repercutindo no Twitter desde a última terça-feira (14). Com a polêmica, os sites Universa, Marie Claire e Folha de S.Paulo também publicaram depoimentos de rapazes que trabalharam com o criador do projeto. Entre eles, modelos e outros profissionais do mercado de moda, incluindo um bailarino e um empresário. As informações são do Metrópoles.

Segundo as denúncias, os casos teriam ocorrido entre 2014 e 2019 – em um deles, o acusador tinha apenas 15 anos na época. Entre as situações relatadas, o empresário teria recebido os jovens em sua casa vestindo apenas cueca para sessões de foto. Além disso, teria apalpado o corpo dos rapazes, tocado nas partes íntimas dos modelos e tentado manter relações sexuais com eles.

Na Folha, inclusive, um dos depoimentos é do ator brasiliense Mateus Papa, 24 anos. Ao jornal, o rapaz disse ter sido convidado para participar de um ensaio fotográfico em 2017. Ao se encontrar com Eduardo, ele relata que o empresário teria “passado a mão” nele, o beijado e tirado sua roupa à força.

“Não sabia o que fazer. Queria participar daquele mundo e fiquei parado. Ele já havia lançado pessoas que passaram a desfilar, fazer publicidade. É muito difícil para quem está começando enfrentar essa situação”, relatou.

Um dos depoimentos de maior repercussão no Twitter é de um bailarino e diz: “Os ensaios sempre acabavam nele passando a mão na minha bunda ou no meu pau, querendo me ver trocar de roupa, esfregando o pau nas costas, deixando claro que queria transar comigo, principalmente quando ele estava bêbado. Teve um dia em que eu fiquei bravo e falei que não queria nada do tipo, então, ele nunca mais me chamou para fazer nada”.