Em Manaus, detentas atuam na construção de viveiro de peixes: ‘Estão se dedicando muito’

Divulgação/Seap

Internas da Penitenciária Feminina de Manaus (PFM) estão participando da construção de um viveiro de peixes dentro da própria unidade. O serviço é executado por reeducandas que estão inseridas no programa de ressocialização “Trabalhando a Liberdade”, criado pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

O viveiro medirá 247 metros cúbicos. Nele, serão criados peixes da espécie tambaqui, que servirão para o consumo das internas e dos servidores da unidade.

Pelo menos 28 internas participam diretamente da obra. Elas também estão recebendo o apoio técnico de três internos do Centro de Detenção Provisório Masculino II (CDPM 2), unidade onde foi construído o primeiro viveiro do sistema prisional.

O diretor da unidade, capitão Paulo Sérgio Cordeiro, que está coordenando os trabalhos, destacou o empenho das internas na criação do viveiro. “Elas estão se dedicando muito na construção. Esse viveiro vem para suprir as necessidades do ramal, e também para servir de alimento para elas”, pontuou.

Cordeiro também anunciou que o viveiro servirá para prática do futuro Curso de Piscicultura, que será realizado na PFM. “Vai ter um curso, com certificação, sobre tratamento de peixes. E este viveiro já vai servir como uma das práticas para o curso, que vai ajudar as internas quando elas estiverem lá fora, a se reintegrar na sociedade”, disse.

Contente, a interna Rosilene (nome fictício) falou do grande aprendizado que está tendo e a boa experiência pela qual está passando ao ter a oportunidade de participar dos serviços. “Todo trabalho que a gente faz aqui é uma boa experiência para gente levar lá para fora, para contar aos nossos familiares e eles terem orgulho de nós. Cada trabalho vale a pena, creio que quando o viveiro estiver pronto, ficará muito bonito”, declarou.

A expectativa é de que as obras de construção do viveiro sejam concluídas em até 90 dias. Os trabalhos contam com a parceria da empresa de cogestão RH Multi.

Com informações do Governo do Amazonas