Em Manaus, grávida percorre maternidades para retirar bebê morto na barriga

Foto: Reprodução

Alciane Rolim Marques, 35, grávida de três meses, teve a triste notícia na última sexta-feira (18) que a criança estava morta na barriga há aproximadamente um mês. E para piorar, desde o momento em que descobriu o óbito do feto, Alciane  e a família tiveram dificuldade para realizar a operação de retirada, tendo que ir em mais de uma maternidade.

O Manaus Alerta conversou com a irmã, Lidiane, que contou detalhes das últimas horas de extrema dificuldade vivida pela família. Lidiante relatou que Alciane não apresentava qualquer problema, e foi a uma clínica particular realizar exames para descobrir o sexo da criança na tarde de ontem. Foi então que veio a surpresa, quando foi constada a morte do bebê, há aproximadamente um mês.

“Ela [Alciane] não estava sentindo nada, nem desconfiava. A barriga estava endurecendo, mas achávamos que era da criança mexer, algo assim. Depois de saber da morte fomos nas maternidades tentar o procedimento, mas foi um descaso total”, reclamou Lidiane.

Lidiane narrou que levaram Alciane na maternidade Balbina Mestrinho, porém o problema não foi resolvido. “Mandaram minha irmã para casa, porque não havia nenhuma infecção e não havia leitos por isso podia esperar. O problema é que agora ela não tem nada, mas não sabemos amanhã ou depois”, disse.

A família se dirigiu então ao Instituto da Mulher Dona Lindu, onde também não conseguiram uma internação, por conta de um caso de covid-19 na unidade, segundo informou um médico para Lidiane. Alciane então foi novamente levada para a maternidade Balbina Mestrinho.

“A gente decidiu voltar [para Balbina] porque era o único jeito, a gente tinha que fazer um escândalo aqui para poder atenderem minha irmã. Não pode ser assim, simplesmente mandar embora, tem que dá um jeito, porque ela precisa”, completou.

Enquanto conversava com a reportagem, Lidiane informou que enfim Alciane foi levada para internação, mas ainda não tinha certeza se seria possível realizar o procedimento necessário de retirada do bebê morto, e ia permanecer aguardando o resultado na unidade.

Portal Manaus Alerta