Esportes

Espanha e Sérvia decidem a final do Grand Prix de Vôlei LGBT neste sábado (30)

A disputa do 3º lugar entre África do Sul e Nigéria abre a noite de pódios, às 18h, e promete reunir ao menos mil fãs- foto: Sejel
Redação
Postado por Redação

Alegria, brincadeira e descontração, mas acima de tudo muita competitividade, vão invadir o Ginásio Poliesportivo do Amazonas (antigo Arena Poliesportiva Amadeu Teixeira) na decisão do Grand Prix de Vôlei LGBT 2017, entre Espanha e Sérvia, neste sábado (30), às 20h.

A disputa do 3º lugar entre África do Sul e Nigéria abre a noite de pódios, às 18h, e promete reunir ao menos mil fãs do esporte e da comunidade LGBT. Os ingressos custam R$ 5 e estarão à venda na bilheteria do local, momentos antes da partida.

A competição, que durante toda a temporada conta com o apoio do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel), reuniu 18 equipes que representaram as seleções de diversos países. As favoritas, Brasil e Nigéria, ficaram pelo caminho e abriram alas para a alegria de Espanha e Sérvia decidirem o título que vale R$ 1 mil.

Saque de alegria

Se a rivalidade é o sentimento predominante numa final, pode-se dizer que para esta o sentimento principal é da alegria. Característico do público LGBT, a irradiação de felicidade promete predominar. Mas antes da bola começar “a voar”, as equipes já se estudaram e prometem uma final bastante colorida.

Se fosse no futebol, a Espanha seria conhecida como fúria, apelido dado pelos gramados do mundo. No vôlei LGBT, a equipe ficou sendo chamado por “as furiosas”, que não querem mais ficar com o caneco de prata. A meta agora é levantar e ostentar a medalha de ouro.

O Fresca do ano

O famoso prêmio do Grand Prix de Vôlei LGBT, ‘O Fresca’ – item que permite que um atleta tire sarro com o adversário a cada ponto – será conhecido no sábado. Ao que tudo indica, o favorito para ganhar a premiação é o jogador da seleção da França, Thiago Saldanha, 24.

Caso o favoritismo seja confirmado, será a sexta vez que o jogador conhecido como Bianchini ficara com o título. “Sou a melhor que grita, a melhor que faz o show para a arquibancada e estou defendendo o título de novo”, declarou.

Com informações da assessoria

Comentários

comentários

Deixe um comentário