‘Estava no velório’, diz mensagem de suposto assassino enviada a mãe da Vitória Gabrielly

A investigação também trabalha com a hipótese de que alguém próximo da família esteja envolvido- foto: reprodução

A morte da menina Vitória Gabrielly Guimarães Vaz, de 12 anos, segue como um mistério. Nessa quarta-feira (20), um novo e intrigante capítulo foi adicionado ao caso. Os celulares dos pais dela foram apreendidos pela Polícia Civil de Araçariguama, no interior de São Paulo. No aparelho da mãe, Rosana Guimarães, as autoridades encontraram mensagens trocadas com o suposto assassino da garota. Em uma delas, o desconhecido escreveu que estava no velório da vítima.

O advogado da família, Roberto Guastelli, disse que Rosana trocava mensagens com a pessoa desde que a filha Vitória desapareceu e que a polícia sabia. Ela ficou sumida por oito dias depois de sair de casa para andar de patins. O corpo foi encontrado em uma estrada de terra, ao lado dos patins, na tarde do último dia 16. Impressões digitais foram encontradas no objeto e encaminhadas para análise no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de São Paulo.

Em uma das conversas, Rosana escreveu ao desconhecido: “Te agradeço pelo corpo da minha filha, agora ela mora no céu, um lugar onde você nunca saberá como será”. A outra pessoa responde: “Você acha que brincou, brincou com a pessoa errada. Vou acabar com você. Não tenho medo da polícia. Estava aí no velório. Ainda não sabe quem sou”. Em um outro trecho, a pessoa chegou a ameaçar a outra filha dela e falou mais a respeito de Vitória: “Você sabe que eu matei ela. Eu te falei e cumpri”. A motivação para o crime, no entanto, ainda é desconhecida.

Agora, os celulares dos pais de Vitória serão periciados e a polícia deve tentar rastrear o número que trocou mensagens com Rosana. A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo disse que as autoridades não vão se manifestar sobre o assunto. O caso está sob sigilo desde a última sexta-feira (15), quando um rapaz de 24 anos teve prisão temporária decretada. Uma denúncia levou a polícia até ele, mas a ligação do jovem com o assassinato não foi divulgada. A investigação também trabalha com a hipótese de que alguém próximo da família esteja envolvido.

As informações são do UOL.