Mundo

Estudantes detidos na Venezuela não podem ver advogados e parentes

Redação..
Postado por Redação..

A maioria dos estudantes presos na quinta-feira (29) em uma manifestação em Caracas contra o presidente Nicolás Maduro seguem se ter contato com familiares e advogados, sem conhecer os motivos de sua detenção.

Os 31 estudantes, a maioria da Universidade Simón Bolívar, foram presos dentro de uma agência bancária onde buscavam proteção contra o avanço das forças de segurança, que reprimiam o protesto. Dois menores de idade foram liberados.

Nesta sexta-feira (30), parentes, colegas e advogados se reuniram em frente à sede do Sebin, o serviço secreto venezuelano, para tentar descobrir a situação dos estudantes. Segundo a imprensa local, alguns dos detidos conseguiram se comunicar com a família por mensagem de texto e disseram não ter sofrido agressões.

Manifestantes bloquearam também nesta sexta-feira (30) um trecho da estrada Francisco Fajardo, principal via de Caracas, para exigir a libertação dos estudantes detidos na véspera. Policiais monitoravam o protesto, mas não há registro de confrontos.

Há três meses, a oposição vem convocando protestos quase diariamente contra o governo chavista. Eles pedem a libertação de presos políticos e se opõem à eleição da Assembleia Constituinte convocada por Maduro -que será responsável por redigir a nova Constituição do país- marcada para o dia 30 de julho.

Os protestos frequentemente terminam em violência e já deixaram cerca de 80 mortos, incluindo policiais, manifestantes e pessoas que não participavam diretamente dos atos.

Fonte: Noticias ao minuto

Comentários

comentários

Deixe um comentário