Brasil

‘Eu não sou assassino’, grita réu da tragédia na Boate Kiss, antes de julgamento; assista

foto: reprodução

Um vídeo de Luciano Bonilha, um dos quatro réus no caso da tragédia da Boate Kiss, em Santa Maria (RS) comoveu internautas nesta quarta-feira (1º), dia em que foi dado início ao julgamento.

Luciano, que é ex-produtor da banda Gurizada Fandangueira, que estava se apresentando no estabelecimento naquele dia 27 de janeiro de 2013, chega ao Foro Central de Porto Alegre (RS) chorando bastante e grita: “não sou assassino”.  Luciano acabou passando mal e precisou de atendimento especial do ambulatório do Foro.

O réu disse que o julgamento seria seu último grito. “Eu penso que esse júri de hoje vai ser meu último grito. Vou tentar passar a minha verdade, a história da minha vida. E eu peço a todos que me escutem”, destacou Luciano.

A acusação afirma que Bonilha apoiou a utilização dos fogos de artifício que entraram em contato com a espuma do teto da boate, sabendo da não recomendação deles para ambientes fechados.

Ainda conforme a denúncia, ele saiu da boate Kiss sem alertar o público sobre o fogo e a necessidade de evacuação, mesmo podendo fazê-lo, levando em consideração que ele tinha fácil acesso ao sistema de som do estabelecimento.

Também são réus no Caso Kiss os sócios da casa noturna Elissandro Callegaro Spohr e Mauro Londero Hoffmann, e o vocalista da banda Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos.

Todos respondem por homicídio simples (242 vezes consumado, pelo número de mortos, e 636 vezes tentado, número de feridos).

Com informações do Correio do Povo