‘Fazer o Bem Faz Bem´da JBS leva programas de assistência social ao AM

Foto: Divulgação

O “Fazer o Bem Faz Bem” da JBS, um dos maiores programas de solidariedade para o enfrentamento à Covid-19 no Brasil, já alocou recursos em todo o país. No Amazonas, a empresa selecionou projetos sociais capazes de beneficiar diretamente milhares de pessoas.

Estão confirmados recursos para o Extensão Amazônia, que apoia e fortalece empreendimentos de inclusão sócioprodutiva em diversos setores, com especial atenção a microempreendedores, à agricultura familiar e aos povos tradicionais, com expectativa de atender 2 mil pessoas no Amapá e no Amazonas. Para a instituição Kanindé, que ajuda em capacitação, proteção alimentar e mobilização de alimentos para povos indígenas de Rondônia, Roraima e Amazonas.

O Instituto Elos, que promove assistência social a 200 famílias de baixa renda em situação de pobreza e extrema pobreza, também será uma das ONGs beneficiadas do programa. Assim como a Aldeias Infantis SOS, que realiza projetos de fortalecimento com 1.300 famílias, com formação profissional e inserção ao mercado de trabalho, além de atividades educativas para milhares de crianças e adolescentes; e para o programa Ação Social para a Igualdade das Diferenças (ASID), do Paraná, que trabalha em prol da inclusão social da pessoa com deficiência intelectual e física. O projeto atua em todo o território nacional, empoderando as famílias e desenvolvendo as habilidades dessas pessoas para inclusão no mercado de trabalho, e atende mais de 10 mil pessoas.

Entre as ações que vão receber apoio do programa da JBS, também vale destacar a oferta, via EAD (ensino a distância), de treinamentos aos profissionais da saúde para operação de equipamentos hospitalares, incluindo respiradores, administração de EPIs e precauções relacionadas à Covid, entre outros assuntos. O programa é gratuito e utiliza as ferramentas e a metodologia do Hospital Albert Einstein, Faculdade de Medicina da USP e Instituto Moinhos de Vento (RS). Com o foco nas cidades atendidas pelo programa, a estimativa é que mais de 30 mil profissionais sejam treinados.

O “Fazer o Bem Faz Bem” da JBS é coordenado por Joanita Maestri Karoleski, ex-CEO da Seara, com um time de 30 colaboradores da companhia totalmente dedicado à iniciativa. A contribuição da Companhia também se estende pela utilização de sua estrutura pelo país. As consultorias Tyno, na área administrativa, e a Grant Thornton, na auditoria das doações, apoiam o projeto de forma pro bono.

Para mais informações acesse jbs.com.br/fazerobemfazbem.

As informações são da assessoria