FEI leva esclarecimentos sobre chamada pública à comunidade indígena em Borba

Foto: Divulgação/FEI

A comunidade indígena Parawá, da etnia Munduruku, localizada no município de Borba (distante 208 quilômetros de Manaus), recebeu a visita da equipe técnica da Fundação Estadual do Índio (FEI), que levou informações sobre chamadas públicas disponíveis no Governo Federal por meio de ações como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e o Programa de Regionalização da Merenda Escolar (Preme). A ação ocorreu na última sexta-feira (9).

Considerando a importância para o etnodesenvolvimento dos povos indígenas da região do Baixo Madeira e de outras localidades, a FEI, que é integrante da Comissão de Alimentos Tradicionais dos Povos do Amazonas (Catrapoa), se propôs a atuar na articulação, mobilização e organização dos povos indígenas junto aos órgãos públicos federais, estaduais e municipais, bem como entidades da sociedade civil e associações indígenas. O intuito é viabilizar o acesso à comercialização da produção de alimentos da agricultura familiar, extrativismo sustentável e da pesca manejada.

Segundo o diretor-presidente da FEI, Edivaldo Munduruku, as famílias indígenas são exemplo de geração de resultados positivos no campo. “Com muita garra e união, os ‘parentes’ podem contar com o apoio da Fundação através de nossos técnicos que os orientam na elaboração de projetos para atender as chamadas públicas. O objetivo é priorizar as atividades agrícolas por meio da produção local nas comunidades indígenas que comercializarão seus produtos com os governos municipal e estadual”, disse.

A aldeia Parawá (predominantemente Munduruku) está localizada às margens do rio Canuma, na Terra Indígena Kuatá-laranjal, no município de Borba, a Princesa do Madeira. A comunidade é composta por 40 famílias, aproximadamente 200 pessoas que sobrevivem dos produtos da floresta (Açaí, Buriti, Bacaba, Tucumã e Castanha do Brasil), do plantio de frutas, verduras e legumes e também da pesca.

O morador da aldeia, Josué Munduruku, destacou a visita da fundação como produtiva. “Só tenho a agradecer a FEI e seus técnicos por este trabalho maravilhoso junto a nossa comunidade. Essa visita é muito importante para nós, onde trará muitos outros benefícios ao nosso povo através desses projetos que são voltados para a aquisição de gêneros alimentícios da agricultura familiar”, declarou.

As informações são da assessoria