Polícia

Gabriel morreu com dois tiros de arma de fogo, aponta laudo do IML

fotos: reprodução

A morte do pequeno Gabriel Lima dos Santos de 12 anos, que pulou no rio durante um tiroteio no Cacau Pirêra, foi confirmado pelo Instituto Médico Legal (IML), como causada por  dois disparos de arma de fogo. O documento mostra que o menino teve anemia hemorrágica aguda, traumatismo torácico e agressão por arma de fogo. Também será investigado por meio de laudo de comparação balística, qual foi a arma usada nos disparos.

Apesar de a família ter mostrado em vídeo cinco perfurações, foram apenas dois disparos, sendo que um atravessou do peito para a costa, e outro atravessou uma das pernas. Gabriel foi sepultado na manhã desta quinta-feira (29), no cemitério São Francisco, em Iranduba (distante 20km de Manaus em linha reta), sob forte comoção e protestos da famílias e da comunidade. M

Leia também: Foragido da polícia estava escondido na casa da família de Gabriel, diz SSP-AM

Familiares e amigos acusam a polícia, que realizava operação no local, de terem entrado na casa atirando, momento em que o garoto foi atingido com os tiros, caiu no rio e sumiu. A cadela de estimação também foi atingida e morreu. O padrasto de Gabriel identificado como Danrley Sullivan Passos Maullmann, foi preso escondido em baixo de palafita. Comunidade diz que Danrley não tem envolvimento com o crime e é trabalhador.

Segundo a nota divulgada pela SPP-AM, uma denúncia apontou que havia um foragido da Delegacia de Iranduba, indentificado como Adenilson da Silva, escondido na casa da família de Gabriel. Adenilson se escondeu na casa junto com outros suspeitos de participarem dos crimes ocorridos no município nos últimos dias, os policiais foram recebidos a tiros. As equipes relataram que, ao chegar na casa indicada em denúncia, localizada no bairro Cidade Nova, no distrito de Cacau Pirêra, ouviram disparos vindos dos fundos da residência.

Leia também: Corpo de menino de 12 anos desaparecido no rio durante tiroteio é encontrado em Cacau Pirêra

O titular da SSP-AM, coronel Louismar Bonates, determinou abertura de um procedimento administrativo para apurar os responsáveis pela morte do garoto.

O Ministério Público do Amazonas (MPE-AM), por meio do Promotor de Justiça Leonardo Abinader Nobre, da comarca de Iranduba, também anunciou que foi aberta investigação criminal em torno do caso, para investigar as circunstância da morte de Gabriel.

Portal Manaus Alerta