Governo do Amazonas consolida política de expansão da atividade econômica para o interior

FOTO: Diego Peres/Secom

Uma sub-região de desenvolvimento sustentável a partir de Humaitá englobando mais 13 municípios em seu entorno, um polo agroindustrial em Rio Preto da Eva e um centro de produção de gás natural em Silves. Esses são alguns dos projetos lançados pelo Governo do Amazonas no ano passado e que estão em franco processo de  consolidação, com expectativa de abertura de cerca de 22 mil vagas no eixo fora da capital e aplicação de aproximadamente R$ 2,3 bilhões em recursos, entre investimentos públicos e privados. 

Um dos projetos mais avançados é o do Campo Azulão-Jaguatirica para a exploração de gás natural e a construção de um terminal de liquefação. Estimada em R$ 1,8 bilhão, a obra foi iniciada em outubro de 2019 pelo  Grupo Eneva e permitirá o fornecimento de energia limpa a Roraima. A expectativa de empregos gerados pelas obras civis e eletromecânicas é de mil vagas em cada um dos estados. No Amazonas, as vagas devem ser abertas em Silves e cidades em seu entorno.

Com os trabalhos de diagnóstico, previsão orçamentária, estudos de viabilidade e de mercado concluídos, o projeto de implantação do Distrito Agroindustrial de Rio Preto da Eva (Darpe) está agora na fase de  elaboração do projeto arquitetônico, que será apresentado ao governador Wilson Lima na próxima terça-feira (28). A previsão de investimentos para a implantação do Darpe está na faixa de R$ 150 milhões somente na fase de implantação.

Incluído no Plano Regional de Desenvolvimento da Amazônia (PRDA) para o período 2020-2023, o Darpe é uma ação intergovernamental entre o município de Rio Preto da Eva, Governo do Estado e Governo Federal, e se estende por uma rede de órgãos públicos que inclui as Secretarias de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), de Produção Rural (Sepror) e Meio Ambiente (Sema), Companhia de Desenvolvimento do Amazonas (Ciama), além da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) e instituições de fomento e pesquisa.

O projeto do Darpe contempla uma área delimitada, na qual devem operar 50 agroindústrias, envolvendo cerca de cinco mil famílias de agricultores locais. A previsão é de geração de 10 mil empregos em Rio Preto da Eva.

Em Humaitá (a 695 quilômetros de Manaus), as empresas Zagaia Agro e Sanfran Energy inauguraram nesta terça-feira (21) o escritório que ficará com a responsabilidade de tocar projeto para a instalação de  um centro  de produção agropecuária e cadeias (clusters) integradas de serviços envolvendo logística, armazenamento e de geração de energia fotovoltaica no município. O investimento está estimado em R$ 350 milhões, com previsão de geração de 12 mil empregos diretos e indiretos quando o centro estiver operando em sua totalidade.

Diversificação

Nesta segunda-feira (20), o governador Wilson Lima também lançou em Humaitá o programa “SOS Vicinal”, voltado para a melhoria da logística do município, com um investimento de R$ 5 milhões para a recuperação de trechos de ramais de municípios do sul do Amazonas, além de garantir a retomada das obras do Anel Viário de Humaitá.

O governador também inaugurou um frigorífico e entregou implementos para associações e certificados para produtores rurais da região. As obras irão melhorar o transporte da produção agrícola e o desenvolvimento econômico da localidade.

Para o secretário em exercício de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, Renato Freitas, o avanço na execução de projetos voltados para as cidades do interior representa um novo marco nas políticas públicas do Amazonas assumidas pelo governador Wilson Lima.

“Não temos dúvidas que a interiorização do desenvolvimento vai alcançar as cidades fora do eixo da capital, levando emprego e renda para a população. É também uma ação importante para a diversificação da matriz econômica do estado, com a adição de novos vetores de negócios”, avaliou.

*Com informações da assessoria