Amazonas

Grávida diz que foi dopada e estuprada por técnico de enfermagem no hospital de Itacoatiara

foto: divulgação/MP-AM

Uma jovem de 24 anos, grávida de 5 meses denunciou que foi dopada e estuprada por um técnico de enfermagem, dentro do Hospital Geral de Itacoatiara (distante 175km de Manaus), na última segunda-feira (26).

A vítima relatou ao portal LCJ Notícias, os detalhes do que aconteceu dentro da unidade de saúde, após ter dado entrada na madrugada de segunda, por volta de 1h, sentindo dores no abdômen, por ter tomado alta dosagem de dipirona.

Ao dar entrada, foi atendida por uma enfermeira, que a encaminhou para uma sala e iniciou o procedimento de medicação, por meio de um acesso pela virilha. A enfermeira então deixou o recinto e pediu para que técnico de enfermagem continuasse o procedimento.

No entanto, segundo o relato da vítima, o homem injetou uma substância desconhecida, sem informar para ela do que se tratava. A partir daí a mulher adormeceu.

A vítima acordou sentindo dores nas partes íntimas, e o homem com a mão em seu órgão genital. Ela narra que conseguiu abrir os olhos e se assustou ao ver a cena. O funcionário também teve um susto, e ao perceber que a vítima tinha acordado, se virou e fugiu da sala. A moça dormiu novamente ainda sobre efeito do remédio. A jovem acordou momentos depois, chamou a enfermeira e denunciou o caso.

Ainda segundo relatos da vítima, o diretor do hospital obteve conhecimento da situação, mostrou algumas fotos dos funcionários da unidade, e a moça reconheceu o abusador. O diretor teria pedido para que o caso não fosse divulgado para evitar manchar a imagem do hospital, e afirmou que iria afastar o suspeito de sua funções na unidade.

O homem foi procurado mas já havia deixado a unidade. A mulher relata ainda que entrou em contato com a mãe, para comparecer no hospital. Depois, a vítima foi até uma Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Itacoatiara, e registrou um Boletim de Ocorrência (B.O.).

O delegado Paulo Barros, titular interino da DIP, informou, por meio de nota da Polícia Civil do Amazonas,  que foi requisitado os exames de corpo de delito e conjunção carnal da vítima, e, que na manhã desta terça-feira (26), ela foi ouvida na unidade policial.

Um Inquérito Policial (IP) foi instaurado para investigar o caso, e, também, foram solicitadas as imagens das câmeras de segurança do local, bem como documentos, como prontuários e listas dos funcionários que a atenderam no local.

Não foi informado se o suspeito havia sido preso.

*Matéria atualizada às 15h30 para acrescentar posicionamento da Polícia Civil do Amazonas

Portal Manaus Alerta