Economia

Harley-Davidson reafirma confiança no mercado brasileiro e mantém operação em Manaus

A montadora norte-americana Harley-Davidson reafirmou, no início deste ano, a confiança que possui no mercado de motocicletas do Brasil. Ela negou os rumores sobre uma possível saída do país, e garantiu que vai continuar produzindo normalmente no Polo Industrial de Manaus (PIM). Além disso, a marca também confirmou presença no Salão Duas Rodas, em São Paulo, que deve acontecer no último semestre de 2021.

Os rumores sobre uma possível saída do mercado brasileiro ganharam força recentemente, sobretudo após o fechamento de algumas concessionárias da marca. Ainda em 2020, por exemplo, a ABA Harley-Davidson, que era a loja com o maior número de vendas em São Paulo, encerrou atividades e gerou preocupações entre os fãs da marca. Entretanto, em comunicado oficial, a montadora garantiu que podem acontecer algumas reformulações, mas que a saída do país está descartada.

Esse comunicado não foi a única forma da Harley reafirmar o compromisso com o mercado brasileiro. A empresa também confirmou presença no Salão Duas Rodas de 2021, que deve acontecer entre os dias 16 e 21 de novembro, em São Paulo. A montadora garantiu que, neste ano, vai levar algumas motos para o evento mais importante do mercado de motocicletas do país. É uma prova de que a empresa pensa no futuro por aqui.

Com uma fábrica própria em Manaus desde 2011, a Harley-Davidson é uma das empresas mais importantes para a capital amazonense. Além de gerar empregos, a marca também é conhecida pela excelente estrutura que possui na planta fabril no PIM. Em setembro do ano passado, uma visita da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) mostrou como a montadora está buscando espaço no concorrido mercado nacional.

Motos no Brasil

As motocicletas são populares no país por diferentes motivos, alguns profissionais e outros pessoais. O veículo é bastante utilizado como ferramenta de trabalho, principalmente para quem trabalha com delivery ou até mesmo mototáxi. Em Manaus, por exemplo, o setor de entrega de comida cresceu quase 300% e, com isso, gerou ainda mais oportunidade para quem anda de moto.

O surgimento de aplicativos que trabalham com delivery, como o iFood e o Uber Eats, fez com que a busca por profissionais com motos disparasse. Alguns deles afirmam que o número de entregas por dia aumentou consideravelmente em Manaus, fazendo com que a margem de lucro semanal crescesse em cerca de 50%. Ou seja, o mercado se mostrou lucrativo e fez crescer a concorrência nas ruas da região, algo que também acontece em outras cidades do país.

Entretanto, as motos não são apenas para uso profissional. O veículo é visto por muitos brasileiros também como um estilo de vida, um hobby ou uma forma de diversão para o final de semana. Essa paixão pode ser melhor explicada pelo tanto de conteúdo relacionado a moto que é consumido por aqui. Na plataforma do YouTube, por exemplo, alguns canais exclusivos para o assunto, como o Motorama e o Madeira Performance, possuem um grande alcance com as visualizações diárias. Até mesmo nos cassinos online é possível encontrar algumas motos, que costumam chamar a atenção dos jogadores. Entre as slot machines grátis mais bem avaliadas dessas plataformas, estão jogos como o Motor Slots e o Underground, que possuem como temática principal o mundo das motos. Por último, não se pode deixar de fora os filmes e os documentários para os fãs de motociclismo. Esse é o caso de Hitting the Apex, a produção que faz sucesso na Netflix com a audiência dos apaixonados por duas rodas.

Harley para poucos

Entre esses dois universos do motociclismo, a Harley-Davidson se encaixa perfeitamente com os brasileiros que usam a moto apenas como estilo de vida e não profissionalmente. Por conta disso, as vendas da marca não são altas e estão longe de concorrer com a Honda e a Yamaha, que são as líderes neste mercado por aqui. Contudo, isso não significa que a empresa não consiga ter sucesso.

No comunicado oficial deste ano, a empresa norte-americana afirmou que deve passar por uma reformulação. Atualmente, o volume de vendas da Harley chega na média de 48 motos por mês nas concessionárias. Com os novos planos, esse número deve cair para apenas 18 unidades por mês. A ideia é fazer com que a moto seja mais cara e mais exclusiva, transformando a marca no Brasil em um item de luxo e que poucos consigam acesso. Uma estratégia ousada, mas que ainda está em análise.

O importante é que a Harley-Davidson vai se manter no Brasil durante os próximos anos, seja no mercado normal ou mais exclusivo. Essa é uma boa notícia também para Manaus, principalmente no PIM, que continua sendo a casa de uma das maiores fábricas de moto mundo.