Homem é detido após arremessar pacote com celulares para dentro do Ipat

Dentro dos pacotes foram encontrados 17 celulares, além de baterias, carregadores, chips e fones de ouvido- foto: divulgação/Seap

Na manhã desta sexta-feira (17), por volta de 9h, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), com o apoio da Polícia Militar do Amazonas (PMAM) e a Umanizzare Gestão Prisional Privada, realizaram a apreensão de três pacotes que foram arremessados da área externa para o interior do Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), localizado no km 8 da BR-174.

Um homem, ainda não identificado, foi o autor do lançamento dos pacotes para dentro da unidade, com destino a área do gramado dos pavilhões. Entre os objetos proibidos dentro dos pacotes estavam 17 aparelhos celulares.

A ação aconteceu quando o policial que estava na guarita B da muralha do Ipat avistou o sujeito realizando o lançamento dos materiais, e avisou para o comandante da guarda externa que tinha efetuado três disparos de alerta para impedir a ação.

Os pacotes foram recolhidos em três áreas distintas: o primeiro na guarita do Ipat, o segundo ficou preso na concertina de contenção da muralha, em frente ao pavilhão A da unidade, e o último pacote caiu na área interna do pavilhão A, próximo ao espaço da ronda do agente de socialização da Umanizzare, que recolheu o terceiro pacote e entregou ao supervisor de plantão.

Ao abrirem os pacotes foram encontrados 17 aparelhos celulares, 15 chips, quatro carregadores, três baterias e três fones de ouvido. Todo o material foi encaminhado para a direção da unidade.

Para o secretário de Estado de Administração Penitenciária, coronel da Polícia Militar do Amazonas, Cleitman Coelho, a ação conjunta entre PMAM, Umanizzare e Seap, mostra resultados no controle das ações que possam burlar a segurança do sistema prisional. “O policial militar da muralha estava atento às movimentações de dentro e fora da unidade. Com a ação de alerta do policial e a pronta comunicação sobre a ocorrência foi possível recolher todos os pacotes e apreender o material ilícito que estaria sendo fornecido para os internos”.

Suspeita

Sobre a suspeita do autor do arremesso, o secretário da Seap levanta a possibilidade da ação ter sido organizada por detentos do regime semiaberto do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj Semiaberto).

“A entrada de pessoas no ramal que dá acesso as unidades é controlado pela Força Nacional, que autoriza apenas funcionários, familiares nos dias de entrega de material e visita, e detentos do semiaberto. Como nas sextas as unidades prisionais não recebem familiares para entrega de materiais, trabalhamos com a suspeita do envolvimento de presos do semiaberto”, disse Cleitman Coelho.