Junho Vermelho: campanha reforça importância de salvar vidas

foto: Hemoam

Doar sangue é um ato que pode salvar vidas. Além disso, a ação promove uma série de benefícios à saúde do doador, que vão desde a redução de risco de doenças cardíacas a alguns tipos de câncer. Para marcar a data, no dia 14 de junho é celebrado o Dia Mundial do Doador de Sangue. Em todo o mundo são organizadas ações e eventos que objetivam conscientizar a população sobre a necessidade de se doar sangue e, em especial, agradecer aos milhões de doadores voluntários pela sua generosidade em contribuir para salvar a vida de inúmeras pessoas.

O médico e intensivista do Sistema Hapvida, João Rodolfo, ressalta os benefícios dessa atitude, a qual anteriormente foi cercada de mitos, mas se trata de um procedimento realizado com toda segurança, tanto para o doador quanto para o paciente. “O nosso sangue é produzido na medula e renovado a cada três, quatro meses. Nesse processo, de uma forma bem simbólica, é como se dentro desse período o sangue fosse para o lixo. A doação de sangue é pegar algo que é nosso, que leigamente vai para o lixo, e ajudar pessoas. Trata-se de um processo simples, seguro e indolor”, afirma.

Qualidade de vida

O médico explica que existem estudos que comprovam que a doação de sangue reduz a viscosidade do sangue, permitindo assim, que os doadores sejam menos propensos a desenvolver doenças do coração. Sem falar que, segundo ele, o processo funciona como uma espécie de ‘limpeza sanguínea’.

A doação também colabora com a redução de certos tipos de câncer. “Já houve a comprovação que a doação sanguínea promove a redução de alguns tipos de câncer pela redução de oxidativos. Com a doação há uma renovação das células”, ressalta João Rodolfo.

Conforme destaca o médico, é a possibilidade de fazer uma espécie de mini check-up, já que o doador precisa ser submetido a uma bateria de exames para identificação de possíveis doenças infectocontagiosas, a exemplo de AIDS, Sífilis, Doença de Chagas, contato prévio com hepatite B e C e vírus HTLV, permitindo que o voluntário esteja mais atento à saúde.

“Sem falar na satisfação de promover o bem: o sentimento de poder ajudar de uma a quatro pessoas com uma única doação. Não existe outra forma de salvar a vida de quem precisa de doação se não for doando. Dessa forma, é possível ter uma satisfação, fortalecer a autoestima e ter a sensação de felicidade”, destaca.

Doação

Para participar dessa onda de amor ao próximo, basta atender alguns itens, se programar e ir até Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam) para fazer a doação de sangue. Os principais critérios para quem quer ser doador são:

  • Ter entre 16 e 69 anos;
  • Pesar acima de 50 quilos;
  • Estar bem alimentado e descansado;
  • Após o parto, esperar entre 90 e 180 dias;
  • Se estiver gripado, esperar no mínimo 7 dias após a recuperação;
  • Após uma doação, as mulheres devem esperar 90 dias para fazê-la novamente, enquanto os homens devem esperar até 60 dias.

As doações podem ser realizadas de segunda a sábado, das 7h às 18h, na sede do Hemoam, na avenida Constantino Nery, 4.397, Chapada, região centro-sul da capital. A unidade de coleta da Maternidade Ana Braga, no bairro São José, funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h45. 

Curiosidades

Uma pessoa adulta tem, em média, cinco litros de sangue e em uma doação são coletados no máximo 450ml de sangue. Todo sangue doado é separado em diferentes componentes (hemácias, plaquetas e plasma) e assim poderá beneficiar mais de um paciente com apenas uma unidade coletada.

Os componentes são distribuídos para os hospitais para atender aos casos de emergência e aos pacientes internados. A quantidade de sangue retirada não afeta a sua saúde porque a recuperação é imediatamente após a doação.

“Esclarecer a importância da doação é o principal caminho. É preciso levar informação clara e objetiva sobre a doação para combater as ‘Fake News’, que muitas vezes afastam os doadores. Uma única doação de sangue é capaz de salvar quatro vidas. Além disso, para quem doa há benefício de poder ajudar quem não tem outra opção de saúde para seguir com a vida”, reforça João Rodolfo.

Sobre o Sistema Hapvida

Com 6,5 milhões de clientes, o Sistema Hapvida hoje se posiciona como o maior sistema de saúde suplementar do Brasil presente em todas as regiões do país, gerando emprego e renda para a sociedade. Fazem parte do Sistema as operadoras do Grupo São Francisco, América, Promed e Ame, RN Saúde, além da operadora Hapvida. Atua com mais de 30 mil colaboradores diretos envolvidos na operação, mais de 15 mil médicos e mais de 15 mil dentistas. Os números superlativos mostram o sucesso de uma estratégia baseada na gestão direta da operação e nos constantes investimentos: atualmente são 39 hospitais, 194 clínicas médicas, 42 prontos atendimentos, 177 centros de diagnóstico por imagem e coleta laboratorial.