Laudo confirma que Viviane foi morta por estrangulamento, diz delegada

Foto: Reprodução

A delegada Marília Campelo, da Delegacia de Homicídios e Sequestros (DEHS) afirmou que o laudo sobre a morte de Viviane Araújo de Sena, de 34 anos, aponta a causa como asfixia mecânica, ou seja, estrangulamento. O então marido, Francisco Antônio Lima da Silva, de 29 anos, teve a prisão em flagrante feita pela polícia, como principal suspeito.

A delegada, em entrevista à imprensa, disse que o laudo também foi confirmado pelos médicos que atenderam Viviane. “A vítima também apresentava escoriações pelo corpo, bem como o próprio suspeito, o que aponta uma possível luta corporal entre os dois, e um possível feminicídio. Assim entendemos ser necessário também representar pela sua prisão preventiva”, destacou Marília Campelo.

Uma irmã de Francisco disse pelas redes sociais, que tem como provar que Viviane estava com covid-19 e que essa seria a causa da morte. A familiar alega que os dois dormiam, quando Viviane teria acordado com falta de ar, e acabado machucando Francisco em desespero, e que apesar dos esforços não teriam conseguido salvar a vida dela.

Entenda o caso

Francisco deu entrada na noite de quinta-feira (18), por volta das 21h, com Viviane já morta no posto do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), localizado no Distrito Industrial, alegando que a esposa estaria passando mal com falta de ar devido à Covid-19. O casal morava no bairro Mauazinho, zona Leste de Manaus.

A equipe do Samu, ao notar diversas lesões e hematomas pelo corpo da vítima e constatar que ela já estava morta, acionou a polícia. O marido foi detido pela Polícia Militar e alegou que não matou a esposa. Ele foi levado para o 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e dar andamento nos procedimentos cabíveis.

Da redação – Manaus Alerta