Saúde

Mais de 250 grávidas e puérperas receberam vacina contra Covid-19 nas maternidades estaduais

Foto: Arthur Castro/Secom

As sete maternidades públicas do Estado já vacinaram, em uma semana, 270 grávidas e puérperas que deram entrada nas unidades para dar à luz sem que tivessem recebido a primeira dose da vacina contra a Covid-19. No Amazonas, o imunizante está sendo disponibilizado, nas maternidades, para as mulheres que buscam esses serviços e que ainda não foram imunizadas.

Segundo o secretário de Saúde do Amazonas, Anoar Samad, o número confirma as estatísticas que apontam baixa cobertura vacinal nesse público, o que levou o Governo do Estado a adotar medidas junto aos municípios, como a disponibilização de doses nos serviços em maternidades e hospitais com sala de parto.

“Não podemos perder a oportunidade de vacinar esse público. Se uma grávida chegar à maternidade sem vacina, iremos garantir a vacinação lá mesmo para ela, mas precisamos fazer um apelo às mulheres que estão em qualquer período da gravidez ou que já tiveram seus bebês: vacinem-se! As vacinas específicas para grávidas são seguras e vão proteger você, seu bebê e sua família”, disse o médico.

Até o momento, 5,4% das 43 mil grávidas e puérperas elegíveis para a vacina completaram o esquema vacinal (receberam as duas doses ou a dose única do imunizante) e 33% receberam a primeira dose. Isso levou a Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) a emitir uma nota técnica conjunta com a Fundação de Vigilância em Saúde Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP) informativa aos municípios visando a ampliação da cobertura vacinal desse grupo.

Na semana passada, quando a vacina para Covid-19 passou a ser ofertada nas maternidades, a SES-AM identificou que 312 mulheres internadas em sete maternidades estaduais não estavam vacinadas. Dessas, 270 puderam ser vacinadas até a manhã desta quarta-feira (18). As demais não tomaram o imunizante em razão do intervalo inferior a 14 dias exigido entre outras vacinas de rotina das grávidas, receberam alta médica e foram orientadas a procurar os locais de vacinação, mas também teve quem se recusasse.

A secretária executiva adjunta de Atenção à Urgência e Emergência da SES-AM, Mônica Melo, esclarece que as maternidades não são postos de vacinação, e que as doses disponibilizadas são para as mulheres em atendimento nas unidades. Ela lembrou ainda que, em Manaus e no interior, as grávidas e as puérperas podem se vacinar contra a Covid-19 em qualquer um dos postos disponibilizados pelas prefeituras, responsáveis pela vacinação.

“A vacina é segura. Não traz problema para o bebê, para a gravidez ou para a mãe, e não interfere na amamentação. É a segurança de, se a grávida ou puérpera adoecer, ter a forma branda da síndrome respiratória e evitar o agravamento do quadro. As mulheres que fazem pré-natal na rede particular devem procurar as unidades básicas de saúde para receber o imunizante, CoronaVac ou Pfizer”, ressaltou a secretária.

Locais de vacinação 

Na capital, segundo a Prefeitura de Manaus, são 40 locais de vacinação, incluindo Unidades Básicas de Saúde (UBS), onde as grávidas fazem o pré-natal. Os locais podem ser conferidos no link: https://semsa.manaus.am.gov.br/noticia/locais-de-vacinacao-covid-19/.

Nas UBSs, a vacinação segue a regularidade da imunização habitual das gestantes na rotina do pré-natal. A vacina está disponível para grávidas, em qualquer momento da gestação, e para puérperas, mulheres com até 45 dias após o parto.

As vacinas indicadas para esse grupo são as produzidas pelos laboratórios Sinovac/Butantan (CoronaVac) e Pfizer/BioNtech (Comirnaty), que não possuem vetor viral na sua composição, respeitando o intervalo entre a primeira e a segunda dose, sendo de 28 dias para a CoronaVac e de 90 dias para a vacina da Pfizer.
11:50

Sensibilização 

Para incentivar a vacinação, o setor de imunização das maternidades está orientando gestantes e puérperas nos Alojamentos Conjuntos (Alcons) sobre a importância da vacina, os benefícios para a mãe e para o bebê, esclarecendo dúvidas sobre a imunização e oportunizando a aplicação da vacina no próprio leito, sem a necessidade da puérpera se locomover até a sala de vacina da unidade.

Números das maternidades

As doses estão sendo ofertadas e já foram aplicadas nas maternidades Balbina Mestrinho (84), Instituto da Mulher Dona Lindu (68), Ana Braga (40), Azilda Marreiro (30), Chapot Prevost (24), Nazira Daou (18) e Alvorada (6).

Gestantes e puérperas vacinadas com a primeira dose da vacina AstraZeneca devem procurar os locais de vacinação para receber a segunda dose da CoronaVac e Pfizer, conforme a disponibilidade na sala de vacina.

Com informações da assessoria