Saúde

Maternidade Moura Tapajóz oferece serviço de coleta de leite materno em domicílio

O leite materno protege contra diarreias, infecções respiratórias e alergias- foto: José Nildo
Redação
Postado por Redação

Para aumentar o estoque de banco de leite dos bebês nascidos na Maternidade Moura Tapajóz e estimular a adesão de mães doadoras na cidade, a Prefeitura de Manaus colocou à disposição das mulheres que pretendam doar leite materno, um serviço de coleta em domicílio, com profissionais que orientam sobre o procedimento e ainda levam os frascos para armazenamento.

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, esse serviço vai ajudar a regular o estoque de leite materno, para atender à demanda da maternidade. “Essa é uma forma eficaz de estimularmos a doação de leite pelas mães que tiveram filhos há pouco tempo e que dispõem de grande quantidade e podem doar sem prejuízos à amamentação dos próprios filhos. O prefeito Arthur Virgílio Neto e a primeira-dama Elisabeth Valeiko são grandes incentivadores do leite materno exclusivo, porque beneficia a saúde do bebê”, ressalta Magaldi.

Para a eficiência da coleta, a Maternidade dispõe de equipe qualificada com motorista, técnico de enfermagem e carro para buscar vidros cheios e substituí-los por vidros esterilizados para as doadoras.

A diretora da Moura Tapajóz, Angélica Marocchio, explica que o kit utilizado pela equipe é composto por máscara, gorro, vidro esterilizado, etiquetas e gaze. “Para doar, a paciente deve ter excedente de leite materno. Para isso, deve entrar em contato pelo telefone ou comparecer ao Posto de Coleta de Leite Humano que funciona 24h, mesmo para aquelas mães que não tiveram seus filhos na Moura Tapajóz”, destaca Angélica.

Todas as doadoras são orientadas individualmente pelos profissionais de enfermagem e recebem folders específicos. Algumas medidas são orientadas, como a ordenha em local limpo, longe de lixeiras e animais de estimação, uso de gorro e máscara e higienização das mãos conforme orientações dos profissionais. Não há necessidade de usar nenhum produto para a lavagem das mamas, basta o banho rotineiro.

O telefone, tanto para solicitar a coleta em casa quanto para marcar o dia de doação no ‘cantinho do leite’ que fica na própria maternidade, é o 3216-8767, ramal 228.

Aleitamento Materno

O Ministério da Saúde (MS) recomenda a amamentação até os dois anos de idade ou mais. Nos primeiros seis meses, o bebê deve receber somente leite materno, sem necessidade de outros alimentos, como sucos, chás e água. Quanto mais tempo o bebê mamar no peito, melhor para ele e para a mãe. Depois dos seis meses, a amamentação deve ser complementada com outros alimentos saudáveis e de hábitos da família. Amamentar é muito mais do que nutrir a criança. É um processo que envolve interação profunda entre mãe e filho, com repercussões no estado nutricional da criança, em sua habilidade de se defender de infecções, em sua fisiologia e no seu desenvolvimento cognitivo e emocional.

“O leite materno é um alimento completo. Ele é de mais fácil digestão do que qualquer outro leite e funciona como uma vacina, pois é rico em anticorpos, protegendo a criança de muitas doenças como diarreia, infecções respiratórias, alergias, diminui o risco de hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade”, orienta Marocchio.

Benefícios para o bebê

O leite materno protege contra diarreias, infecções respiratórias e alergias. Diminui o risco de hipertensão, colesterol alto e diabetes, além de reduzir a chance de desenvolver obesidade. Crianças amamentadas no peito são mais inteligentes e há evidências de que o aleitamento materno contribui para o desenvolvimento cognitivo.

Benefícios para a mãe

O ato de amamentar reduz o peso mais rapidamente após o parto. Ajuda o útero a recuperar seu tamanho normal, diminuindo o risco de hemorragia e de anemia após o parto. Reduz o risco de diabetes. Reduz o risco de desenvolvimento de câncer de mama e de ovário. Pode ser um método natural para evitar uma nova gravidez nos primeiros 6 meses desde que a mãe esteja amamentando exclusivamente (a criança não recebe nenhum outro alimento) e em livre demanda (dia e noite, sempre que o bebê quiser) e ainda não tenha menstruado.

Com informações da assessoria

Deixe um comentário