Brasil

Menino chacinado em Campinas disse a professora que mataria o pai quando crescesse

Redação
Postado por Redação

O menino João Victor Filier de Araújo, 8, assassinado pelo pai, Sidnei Ramos de Araújo, com outras 11 pessoas em uma festa de Réveillon em Campinas (SP), dizia não gostar dele e que o mataria quando crescesse, segundo o relato de uma professora da escola onde ele estudava.

De acordo com Tatiana Ferreira, que foi professora de João Victor quando ele estava no primeiro ano, em 2015, a escola Vivendo e Aprendendo soube da acusação de que o pai havia abusado do garoto.

Segundo ela, havia a orientação de que somente a mãe, detentora da guarda, poderia buscá-lo na escola. Tatiana revelou que, em uma conversa por ocasião do Dia dos Pais, João Victor disse que não comemorava a data. “Ele disse que ele não gostava do pai e que, quando crescesse, queria matar o pai”, afirmou a professora.

Ela era uma entre os muitos amigos e parentes que estiveram no velório das 12 vítimas neste domingo (1º), no Cemitério da Saudade. “Todo dia ele vinha me dar um oi. Ele era extremamente amoroso”, diz Ferreira. A educadora afirmou ainda que João Victor era bom aluno e estava sempre com a lição de casa feita.

Visitas restritas

Sidnei Ramis de Araújo, de 46 anos, autor da chacina que matou 12 pessoas em Campinas, no interior de São Paulo, foi acusado pela mulher, Isamara Filier, 41, de abuso sexual contra o filho do casal, João Victor Filier de Araújo, de 8 anos, no processo de regulamentação de visitas em 2012. A Justiça considerou que as acusações “não eram cabalmente comprovadas”, mas estipulou regras de convívio restritas.

Na decisão, foi determinado que a criança, que tinha três anos na época da disputa judicial, deveria ser “protegida, mas não deve ser afastada totalmente do convívio paterno”. Desde então, Araújo tinha autorização para visitar o filho em domingos alternados, na casa de Isamara, entre 9h e 12h. O pai tentava reverter o regime de visitação determinado pela Justiça, sem sucesso, de acordo com consultas a decisões judiciais no Diário de Justiça Eletrônico.

A chacina

Segundo a Polícia Militar, pouco antes da meia-noite do dia 31, ele pulou o muro da residência onde as pessoas estavam e abriu fogo com uma pistola 9 mm. Em seguida, atirou contra a própria cabeça. Um carregador extra com munição foi encontrado junto ao corpo.

Das vítimas fatais, 11 morreram no local e duas a caminho do hospital. Outras três pessoas foram atingidas pelos disparos e estão sob cuidados médicos no hospital da Unicamp, Ouro Verde e Mario Gatti.
O técnico de laboratório Sidnei Ramis de Araújo escreveu cartas revelando seus planos de matar a família. Os textos, um direcionado ao filho e o outro a uma namorada, haviam sido enviados para amigos antes do crime.

Via: UOL

Comentários

comentários


Deixe um comentário