Não são ‘Padrão Califórnia’, diz Mourão sobre as queimadas atuais na Amazônia

Foto: Divulgação

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que as queimadas que estão ocorrendo na Amazônia não são “padrão Califórnia”, referindo-se aos incêndios que também têm ocorrido no Estado norte-americano. Em entrevista concedida neste sábado à noite para a rede CNN, Mourão comentou que a medição do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) – que faz monitoramento dos focos de incêndios na região – acusa “focos de calor” nas imagens de satélite, “o que não significa incêndio”. “Vários focos juntos é que vão constituir um incêndio, dependendo da área em que estiverem localizados”, disse Mourão e continuou: “Qualquer área acima de 47 graus vira foco de calor; uma fogueira vira foco de calor, mas não é incêndio. Não estou desmistificando nada, mas temos de dar a devida proporção ao que está acontecendo na Amazônia.”

Mourão disse ainda que com o trabalho que tem feito no Conselho da Amazônia, em integração com vários outros órgãos do governo, como Ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura, o objetivo do governo Jair Bolsonaro, ao fim do seu mandato, é reduzir as taxas de queimadas e desmatamento na Amazônia Legal a 10% dos níveis históricos. “Temos de realizar todas as operações necessárias, no sentido de que haja essa redução, lembrando que a repressão pura e simples não contribuirá sozinha para isso. Isso passa pela conscientização das pessoas e também pela regularização fundiária, que é fundamental para a gente combater as ilegalidades, além de desenvolver atividades econômicas na região.”

Conforme o site JBR, sobre cortes orçamentários no Ministério do Meio Ambiente, Mourão disse “que não foi tão grande, perdeu alguma coisa”. Lembrou, porém, que o trabalho de combate ao desmatamento e às queimadas na Amazônia não se resume somente à pasta do Meio Ambiente. “Por exemplo, a regularização fundiária está com o Ministério da Agricultura e a questão da proteção de terras indígenas está com a Funai; são vários organismos que também têm recursos e esse é o trabalho do Conselho da Amazônia, fazer com que os trabalhos tenham sinergia.”

Leia a matéria completa no JBR