Não se preocupe: seus boletos não transmitem covid-19

Foto: Divulgação

Muita gente ainda se pergunta onde e por quanto tempo o SARS-CoV-2, vírus causador da pandemia de gripe covid-19, pode permanecer ativo. É possível a contaminação tocando  no cabelo ou na barba? Ou no que os Correios entregam? O jornal New York Times ouviu especialistas para responder essas dúvidas.

Carona no cabelo

Se você estiver isolado e respeitando, ao sair, as regras de isolamento social (manter a distância entre as pessoas, evitar aglomerações, evitar sair se não for extremamente necessário), mesmo se alguém chegar perto o suficiente para espirrar na sua nuca a contaminação seria improvável.

Segundo o infectologista pediátrico da Escola de Medicina da Universidade de Washington Andrew Janowski, “é preciso uma quantidade X de vírus no espirro e Y de gotas de saliva caindo sobre você. Além disso, você ainda precisaria tocar no cabelo e, depois, no rosto. Ou seja, é necessária toda uma sequência de eventos que precisa acontecer na ordem certa e, ainda, carregando a carga viral necessária para que a contaminação aconteça. O risco de alguém ser infectado pelo próprio cabelo é muito baixo.”

Vírus via PAC

Segundo o The New England Journal of Medicine, o SARS-CoV-2 permanece ativo em plástico e aço inoxidável até três dias e em cobre e papelão, até um dia. A pesquisa não cita tecidos ou papel, mas o que foi observado dá pistas sobre sua sobrevida em roupas e correspondências.

O papelão (como o papel) é um material absorvente, e ele resseca e ajuda a desintegrar o vírus mais rapidamente do que quando o covid-19 se deposita em superfícies metálias, por exemplo.

Em 2015, um estudo foi feito sobre a sobrevida do coronavírus da gripe causadora da síndrome respiratória aguda grave (SARS). Os pesquisadores testaram sua viabilidade em papel e em um vestido de algodão. Dependendo da sua concentração, foram necessários cinco minutos, três horas ou um dia para que o vírus se tornasse inativo (neste último caso, a concentração do vírus foi altíssima).

Por isso, o risco de ser contaminado por aquilo que chega pelos correios (mesmo se forem compras vindas da China) ou mesmo lendo um jornal é muito baixo e, ainda, teórico. Em caso de dúvidas, lave as mãos como recomendado depois de manusear jornais, a correspondência ou caixas de entregas.

Se for possível, simplesmente deixe tudo (cartas, pacotes, roupas, bolsa, chaves, sapatos) em uma “estação de descontaminação” perto da porta de saída.

As informações são do Tecmundo