Noiva em fase terminal de câncer realiza sonho do casamento 10 dias antes de morrer

Foto: Divulgação/ Kátia Luz Fotografia

Adarlele Andrade, de 26 anos, conseguiu realizar seu grande sonho antes de morrer no último dia 16 fevereiro. Lutando contra um câncer desde 2018, ela se casou com Ruan Pablo de Lara, de 28 anos, ao lado dos amigos e familiares vestida de noiva, assim como havia planejado.

O casamento ocorreu em União da Vitória, no Paraná, no dia 6 de fevereiro. O casal engatou um namoro em 2020 e apenas alguns meses depois do relacionamento decidiu se casar em dezembro. No entanto, a pandemia alterou os planos de Ruan e Adarlele.

Ainda em dezembro, Ruan e Aderlele receberam o laudo médico no qual informava que o tratamento contra o câncer da noiva seguiria, mas de forma paliativa. Na sequência, o casal apressou os preparativos do casamento antes que o quadro de Sarcoma de Ewing, um tipo de câncer que atinge os ossos, piorasse.

“Ruan entrou na vida dela já sabendo de todos os desafios por causa do tratamento. Mesmo assim, enfrentou o relacionamento. O amor de ambos foi tão recíproco que em um mês começaram a namorar e marcaram o casamento. Nada foi por caridade. Todo mundo sentia que ele gostaria realmente de casar com a Adarlele. Todos sabiam que ela poderia perder a vida, mas não tão rápido”, contou Felipe Vetterlein ao UOL, esposo de uma prima da jovem e padrinho do casamento.

Com o quadro se agravando, Adarlele precisava tomar dez comprimidos por dia de morfina para diminuir as dores causadas pelo câncer, além do adoecimento do corpo.

Além dos familiares e amigos, uma equipe médica no Hospital das Clínicas de Curitiba, onde Aderlele fazia o tratamento, ajudou nos preparativos da cerimônia. Já a Prefeitura de União da Vitória deixou uma ambulância à disposição da noiva para qualquer casa de emergência na porta da igreja. Mesmo com todas dificuldades impostas pela doença, Aderlele resolveu se levantar da cadeira de rodas na metade do caminho até o altar para poder seguir andando.

“Nas semanas que antecederam o tratamento, a Adarlele teve piora no quadro. Ela tomava comprimidos de morfina, mas não estavam fazendo tanto efeito. Já iria começar a fazer de forma injetável. Só que no dia do casamento e no dia anterior, vimos ela muito empolgada e vibrante, mesmo estando nesta condição. Estava muito feliz por estar rodeada dos amigos e família”, lembra Felipe.

Realização do sonho

Ruan conseguiu concretizar o sonho da noiva, mas dez dias depois da cerimônia sua esposa morreu. Ao viajar para Curitiba, quatro dias depois do casamento, com o objetivo de buscar uma biópsia do câncer, Aderlele precisou ser hospitalizada. Depois de seis internada, ela não resistiu.

“Ela fez uma biópsia quatro dias antes do casamento para saber se o câncer havia chegado à medula, o que teve resultado positivo. Como a anemia estava muito forte e os médicos não liberaram, acabou morrendo dia 16 de fevereiro”, confirmou o padrinho de casamento.

Ainda abalado pela perda da esposa, Ruan preferiu não falar sobre o ocorrido e direcionou os contato ao padrinho Felipe.

“Era o amor da vida dele. Ela era conhecida pelo sorriso e conquistava todo mundo ao seu redor com a sua força e luta contra o câncer”, concluiu Felipe.