Não houve bloqueio destas três redes sociais, mas sim um problema técnico que afetou não só o Brasil, como também outros países

Começou a circular nas redes sociais e também em grupos do WhatsApp, que estava tudo fora do ar porque o Facebook queria impedir os usuários de compartilhares fotos e vídeos mostrando as cenas horríveis no massacre da escola Raul Brasil em Suzano, São Paulo. O Facebook não estava abrindo para a maioria dos usuários e quando alguém conseguia acessar, reclamava de lentidão.

O Instagram também ficou offline em todo país e o WhatsApp ficava alternado entre momentos com problema e outros com acesso lento. Porém, a notícia de que isto foi proposital é fake.

Não houve bloqueio destas três redes sociais, mas sim um problema técnico que afetou não só o Brasil, como também outros países. A maioria dos usuários foram afetados, mas não todos. E isto não teve nenhuma relação com o ataque à escola em Suzano.

O Facebook está enfrentando questões técnicas em diversas partes do mundo, e estamos trabalhando para normalizar o acesso aos nossos serviços o mais rápido possível“, informou um porta-voz da empresa.

No Twitter, muitos internautas reclamaram da instabilidade das três redes sociais. Até o Facebook usou o Twitter para informar que o problema também não estava relacionado a um DDos – Ataque de Negação de Serviço. Também é falsa a mensagem que diz sobre uma investigação nas redes, isto também não procede.

E muitos internautas fizeram campanha no Twitter pedindo que ninguém compartilhasse ou repassasse imagens das vítimas na escola Raul Brasil, em respeito aos familiares.

O massacre teve 10 mortos e mais de 20 feridos, Antes de chegar à escola, eles passaram em um lava-jato e mataram o tio de um deles.