Obras em saneamento avançam em Manaus e devem beneficiar mais de 15 mil pessoas até dezembro

Foto: Divulgação/Águas de Manaus

A concessionária Águas de Manaus não parou seus serviços durante a pandemia e segue trabalhando para universalizar o saneamento básico na capital amazonense. Ainda neste ano, cerca de 15 mil pessoas nas zonas Oeste e Leste da cidade, devem ser beneficiadas com obras em sistemas de abastecimento de água tratada e coleta e tratamento de esgoto.

As equipes da Águas de Manaus estão a todo vapor trabalhando nos locais para, até dezembro, concluir os serviços e entregar os novos sistemas para a população. As obras trarão mais qualidade de vida aos moradores da cidade e farão com que a capital do Amazonas avance no cumprimento de metas estabelecidas no contrato de concessão com o poder público.

No bairro Jorge Teixeira, as intervenções estão concentradas na área do Programa de Desenvolvimento Urbano e Inclusão Socioambiental de Manaus (Prourbis). O Prourbis é um programa social da Prefeitura de Manaus que desde 2013, promove melhorias em áreas da cidade, principalmente no que diz respeito a infraestrutura. As intervenções abrangem a construção de moradias, áreas de lazer e saneamento básico. A Águas de Manaus está revitalizando a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) e as redes de coleta que foram construídas pela Prefeitura no local. Uma estação elevatória também será construída pela empresa. Após a reforma, a concessionária passará a operar o sistema de esgotamento sanitário na região do Prourbis, beneficiando aproximadamente 13 mil pessoas.

Já no Parque das Tribos, mais de 2,6 mil pessoas terão, pela primeira vez, água encanada em casa. Os moradores do local são em sua maioria indígenas e desde a criação da comunidade, há 10 anos, nunca tiveram abastecimento regular de água. Esta realidade está prestes a mudar com a construção do sistema de abastecimento para o Parque das Tribos, que conta com um Centro de Produção de Água Subterrânea (CPAS) de 200 metros de profundidade, cerca de 8 mil metros de rede de distribuição e 657 ligações de água e hidrômetros. O CPAS deve ser concluído em novembro e a previsão é que, após testes, o sistema entre em operação no mês de dezembro. Um reservatório de 300 mil litros de água também será construído no local no ano que vem, para dar suporte a operação do novo sistema.

Melhorias por toda cidade – A Águas de Manaus também está promovendo obras em diversos pontos da cidade para melhorias no abastecimento de água à população. Até dezembro, bairros abrangidos pelos sistemas São José, Mocó, Monte das Oliveiras e Novo Israel vão receber intervenções de setorização, para otimizar o fornecimento de água tratada nestes locais. Nos últimos meses, equipes das áreas de engenharia e controle operacional da Águas de Manaus realizaram estudos no sistema hidráulico da cidade. A partir deste levantamento minucioso, foram planejadas diversas intervenções nas regiões citadas.

Um dos principais benefícios da setorização é a melhor distribuição na pressão de água dentro das tubulações. A partir do momento em que ela é regulada, a possibilidade de vazamentos e manutenções emergenciais na rede (que geralmente causam transtornos como a falta d’água), diminui consideravelmente. Cerca de 4 quilômetros de novas tubulações devem ser implantados nesses trabalhos, além de equipamentos como válvulas e registros.

Investimentos – A Aegea Saneamento assumiu em junho de 2018 a concessão da prestação dos serviços de esgoto e abastecimento de água para a zona urbana de Manaus por meio de sua concessionária Águas de Manaus. Desde então, já foram investidos mais de R$ 296 milhões em toda a cidade.

Atualmente, 98% da população tem acesso a água tratada e isso só foi possível porque a empresa ampliou o sistema de abastecimento com cinco novos reservatórios com capacidade de reservação em 30 milhões/litro de água.

No sistema de esgotamento sanitário, os índices atuais representam 21%, totalizando 115 mil residências e cerca de 500 mil moradores com o serviço disponível. Todos os efluentes coletados pela Águas de Manaus são tratados e devolvidos à natureza. Por mês, 1,5 milhão de litros de esgoto são coletados e tratados pela concessionária. O sistema de esgotamento administrado pela Águas de Manaus é formado atualmente por 600 quilômetros de rede coletoras, interceptores e coletores troncos, 69 estações de tratamento (ETE’s) e 55 elevatórias.

Além disso, a Águas de Manaus expandiu o sistema com três novas Estações de Tratamento de Esgoto, sendo que uma delas é a maior da região Norte, a ETE Timbiras, que tem capacidade de tratar 230 l/s (litros por segundo) de esgoto. Atualmente, a empresa trabalha na ampliação das redes coletoras, em regiões como os conjuntos Águas Claras, Kissia, Eldorado e Dom Pedro.

A Águas de Manaus tem um plano de investimento contínuo em saneamento básico objetivando de atingir as metas estabelecidas em contrato de concessão. Até 2030, a cidade terá 80% de cobertura do sistema de coleta e tratamento de esgoto. Para isso, serão construídas novas extensões de rede, elevatórias e estações de tratamento de grande porte na cidade.

“Temos a meta contratual de elevara cobertura de esgotamento sanitário na cidade para 80% em dez anos. A empresa já começou a trabalhar para isso desde a chegada à capital, através de estudos e projetos que vão ser implantados ao longo da década. Vamos investir em expansão de redes de coleta, ETE´s e também, ter um trabalho especial para sensibilizar a população, para que todos entendam a importância de se conectar às nossas redes e tratar seu esgoto”, completa o diretor-presidente da Águas de Manaus, Renato Medicis.

(*) Com informações da Assessoria Águas de Manaus