OMS errou ao recomendar que pacientes esperassem ter falta de ar, diz secretário de saúde

Foto: Divulgação

Um dia antes de o Ceará completar seis meses da pandemia de Covid-19, o secretário estadual da Saúde, Carlos Roberto Martins, o Dr. Cabeto, fez um balanço das ações voltadas ao enfrentamento do novo coronavírus. Em entrevista coletiva nesta segunda-feira (14), ele afirmou que a “forma de comunicação inicial”, ainda no mês de março, quando foram confirmados os primeiros infectados, poderia ter sido mais assertiva. As informações são do G1.

Isso porque, à época, o titular da Sesa orientava que apenas pessoas do grupo de risco ou aquelas que apresentassem sintomas graves da doença deveriam procurar uma unidade hospitalar. Já os pacientes gripados, assintomáticos e os não-graves poderiam permanecer em casa.

Atualmente, contudo, Dr. Cabeto julga essa recomendação como um erro ocorrido não só no Ceará, mas em escala global, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos.

“Eu acho que o mundo inteiro pautou uma coisa chamada ‘não vá ao hospital, espere ter falta de ar’, e a gente viu no decorrer da evolução, acho que o mundo errou, o CDC errou, a OMS errou. É preciso que se diga claramente”, aponta.