Operação ‘Máfia dos Caixões’ investiga ex-diretor financeiro por corrupção passiva

Foto: Alailson Santos / PC-AM

A Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), por meio da Delegacia Especializada em Combate à Corrupção (Deccor), sob o comando da delegada-geral Emília Ferraz e coordenação do delegado Guilherme Torres, titular da Especializada, deflagrou a primeira fase da operação ‘Máfia dos Caixões’, que investiga ex-diretor financeiro de uma secretaria municipal por cobrar propinas em faturas emitidas no fornecimento de urnas funerárias de serviço público.

De acordo com o delegado Guilherme Torres, a ação policial aconteceu na manhã desta terça-feira (03), por volta das 6h, na Colônia Japonesa, bairro Novo Aleixo, zona norte da capital. O principal alvo das investigações foi Maronilson Barros Monteiro, conhecido como ‘Mauro’, que se prevalecia da função que exercia, em uma secretaria municipal, para fazer cobranças indevidas de valores a empresários que forneciam urnas para a respectiva secretaria.

Segundo o delegado, o caso foi denunciado pelos empresários, ocasião em que um deles informou que não estava entregando as urnas há mais de três meses, pois ele e os outros fornecedores foram proibidos por ‘Mauro’, visto que os mesmos só poderiam receber pelas vendas das urnas se pagassem o valor da propina estipulado pelo ex-diretor.

“Por meio de denúncia feita ao Ministério Público e posteriormente repassada para nós, ‘Mauro’, o principal suspeito desse esquema criminoso, solicitava dos fornecedores das urnas populares, uma quantia de 10 a 20% do valor total da fatura para que o pagamento da mesma fosse liberado”, explicou Torres.

Conforme a autoridade policial, durante a operação, quatro mandados de busca e apreensão foram cumpridos na residência de Maronilson, onde foram recolhidos alguns aparelhos eletrônicos que irão passar por perícia.

“Não podemos afirmar que existam mais pessoas envolvidas nesse esquema criminoso, o que podemos dizer é que tudo ficará esclarecido, a partir das investigações. Vale ressaltar que essa é apenas a primeira fase da operação, pois a corrupção deve ser combatida tanto quanto o tráfico de drogas e os demais crimes, porque um crime num serviço desses, principalmente no momento em que estamos vivendo, a gente não pode tolerar”, disse Guilherme.

Os mandados foram expedidos no dia 29 de outubro de 2020, pelo juiz André Luiz Nogueira Borges de Campos, da Central de Inquéritos.

Procedimentos

‘Mauro’ será autuado por corrupção passiva e passará por depoimento nos próximos dias.

As informações são da assessoria