‘Pegou porrada, lesa’ diz desembargador Aristóteles Thury em sessão online do TJAM

Foto: Divulgação

Um comentário do desembargador Aristóteles Thury causou bate boca durante a sessão online desta terça-feira (1) do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). Os desembargadores julgavam um processo da ordem do dia quando, após o voto do desembargador Jorge Lins, Thury comemorou.

Segundo informações do site G1, a sessão estava votando uma pauta sobre a promoção de oficiais por tempo de serviço e antiguidade. A desembargadora Socorro Guedes declarou que se sentiu “extremamente ofendida” com o comentário.

Thury não percebeu que o microfone estava aberto e o comentário não passou despercebido pelo desembargador Yedo Simões, que pediu a palavra para reclamar do posicionamento do colega e pedir censura ao comentário.

“Desembargador presidente, queria destacar que o desembargador Thury em pleno julgamento aqui, me ofendendo. Como se eu não pudesse votar uma divergência. Ele tá dizendo: ‘pega, levou porrada’ e tudo isso. Acho que merece uma censura esse posicionamento dele, que não deveria ocorrer entre nós desembargadores. Cada de um de nós tem o seu posicionamento e isso deve ser respeitado. Somos juízes, não somos crianças. Não estamos aqui para ofender ninguém”, reclamou.

Em seguida, o presidente do tribunal, desembargador Domingos Chalub, disse que ao final da votação daria a palavra aos colegas para que eles se entendessem. Simões voltou a defender um censura do comentário e Thury pediu desculpas ao desembargador.

“Não me referi ao desembargador Yedo não. Inclusive não nominei não ninguém”, se defendeu o desembargador Aristóteles. Em seguida, o colega Yedo Simões reclamou novamente. “O senhor nominou meu nome. Eu ouvi muito bem. Se pegar a gravação vai estar.” Por fim, Thury pediu desculpas ao colega: “Tá bom, eu peço desculpas ao desembargador”.

Conforme o site G1, a desembargadora Graça Figueiredo tentou intervir dizendo que a discussão deveria ser resolvida quando os desembargadores se encontrassem e que o assunto era de natureza privada. Yedo, porém, rebateu e repreendeu a colega.

Por fim, o desembargador Domingos Chalub pediu calma no pleno e perguntou se Yedo aceitava as desculpas de Thury. “Desembargador Yedo, vossa excelência se sentiu ofendido na sua honra subjetiva. O desembargador Thury está pedindo desculpas. Vossa excelência dá como aceita as desculpas?”, questionou.

A desembargadora Socorro Guedes declarou que se sentiu “extremamente ofendida” com o comentário, já que o magistrado pediu desculpas somente ao desembargador Yedo Simões. “Ele ofendeu primeiro a mim e todas as mulheres desse colegiado. Nós somos poucas, mas respeitamos o Tribunal de Justiça, e em nenhum momento deixamos que o nome do tribunal seja achincalhado pela nossa postura”, declarou.

Guedes também fez questão de deixar registrado o “descontentamento e pesar” por conta do posicionamento do colega.

Ainda conforme o site G1, o Tribunal de Justiça do Amazonas divulgou nesta segunda-feira (31) que retomará, de forma gradual, o trabalho presencial em suas unidades a partir do dia 21 de setembro. A informação consta da Portaria n.º 1.753, disponibilizada no Diário da Justiça Eletrônico (DJe). Conforme a Portaria, a retomada gradual e sistematizada das atividades presenciais se dará em três etapas.