Pessoas em situação de rua participam de palestra em alusão ao Janeiro Branco

(Foto: Divulgação)

Usuários do Centro de Referência Especializado para Pessoas em Situação de Rua (Centro Pop) e do Serviço de Acolhimento Institucional (SAI) Amine Daou, da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh), participaram, nesta terça-feira, 23/1, de uma programação alusiva ao Janeiro Branco.

“Por conta da situação de vulnerabilidade social, temos centenas de pessoas que se encontram sem perspectivas. Sem uma esperança de futuro. Então, essa ação vem com a responsabilidade de construir, fortalecer e disseminar a cultura da saúde mental que favoreça e estimule as pessoas a retomarem a direção de suas vidas”, afirmou o secretário da Semmasdh, Elias Emanuel.

Eles participaram de um momento de diálogo com o psicólogo Valberto Evangelista, possibilitando uma reflexão quanto ao cuidado da Saúde Mental, além de aprender técnicas de relaxamento, percepção e alto conhecimento. A atividade foi realizada em articulação com a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).

“Esse tipo de atividade é importante para todos, principalmente para as comunidades mais carentes. Devemos discutir a importância da saúde mental, dos cuidados, dos tratamentos. Aqui, foi apresentada uma prática de meditação, basicamente tratando a autocompaixão. É um reforço para a pessoa se posicionar no mundo, com força e resiliência para enfrentar as dificuldades”, declarou o psicólogo.

Dados da ONU revelam que, no Brasil, mais de 20 milhões de pessoas sofrem com algum tipo de transtorno mental.

 

“Todos nós sabemos as dificuldades que essas pessoas enfrentam, então, essa atividade se torna fundamental para a retomada de posição diante da vida, da sociedade e principalmente de suas famílias”, concluiu Rosinaldo Silva, coordenador do Centro Pop.

Sobre o Janeiro Branco

O Janeiro Branco é uma campanha que convida as pessoas a pensarem sobre suas vidas, o sentido e o propósito dela, a qualidade dos seus relacionamentos e o quanto elas conhecem sobre si mesmas e sobre suas emoções, seus pensamentos e seus comportamentos.

A ideia é sensibilizar as mídias, as instituições sociais, públicas e privadas, e os poderes constituídos, públicos e privados, em relação à importância de projetos estratégicos, políticas públicas, recursos financeiros, espaços sociais e iniciativas socioculturais empenhadas em valorizar e em atender as demandas individuais e coletivas, direta ou indiretamente, relacionadas aos universos da Saúde Mental.