Polícia suspeita que casal vendeu recém-nascido para família, em Manaus

foto: divulgação/PC-AM

Um casal foi preso em flagrante ao tentar registrar um bebê recém-nascido de 32 dias apenas, usando documentos falsos. O caso aconteceu em Presidente Figueiredo (distante 107 quilômetros em linha reta de Manaus). A polícia suspeita que o casal tenha vendido a criança para um família em Manaus.

A 37ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP) , sob coordenação do delegado titular Valdinei Silva, prendeu na quinta-feira (10), por volta das 16h30, Henrique Andrade Pereira, 32, e Nelcinéia Moreira Leitão, 32, após os dois apresentar nomes e documentos falsos na secretaria de Saúde daquele de Presidente Figueiredo.

Conforme o delegado, o casal procurou a secretaria em busca de uma certidão de nascido vivo, alegando que o bebê havia nascido na zona rural de Presidente Figueiredo, durante um parto natural, mas que o recém-nascido estava em Manaus. Segundo o delegado Valdinei Silva, Henrique se apresentou com o nome falso de ‘Renato da Costa Gama’ e informou que Nelcinéia seria a testemunha obrigatória para a emissão da certidão.

“Eles apresentaram a caderneta da suposta mãe biológica da criança, identificada como ‘Ana Carla da Silva Lopes’, porém os funcionários da secretaria desconfiaram da dupla, pois o documento apresentado estava com várias rasuras. Sendo assim, eles acionaram a nossa equipe e nos deslocamos até o local para averiguarmos a ocorrência”, disse Silva.

Ainda segundo o titular da 37ª DIP, eles conduziram ambos à delegacia e constataram que ‘Renato’, na verdade, se chamava Henrique e portava um documento de identidade adulterado. Já Nelcinéia, que se apresentou como testemunha do nascimento da criança, é na verdade a mãe biológica dela. Ele ao perceber que o plano não estava dando certo, mudou a versão dos fatos e afirmou que a mulher estaria repassando a criança a ele para adoção.

“Porém, descobrimos também que eles deram a criança para outra família, em Manaus, e estavam tentando realizar o registro dela aqui no município, usando os documentos deles. Mas há a suspeita que Henrique e Nelcinéia tenham vendido o recém-nascido para essa nova família. Acionamos a Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), que realizou o resgate do bebê em Manaus, e ele será encaminhado para um abrigo”, explicou o delegado.

Procedimentos

Henrique e Nelcinéia foram autuados em flagrante por falsidade ideológica, uso de documento falso, falsificação de documento público e tráfico de pessoas. Ao término dos procedimentos cabíveis, eles ficarão na carceragem da 37ª DIP à disposição da Justiça.

Com informações da assessoria