Prefeitura de Manaus debate sobre ensino híbrido em audiência promovida pela Câmara dos Deputados

Foto: Divulgação/ Semcom

Os desafios enfrentados pela Prefeitura de Manaus para assegurar as atividades educacionais da rede municipal de ensino, em meio à pandemia do novo coronavírus, foram abordados nessa quarta-feira (25) durante uma videoconferência promovida pela Câmara dos Deputados, que teve como tema “A importância da conectividade no ensino híbrido em 2021”.

O bate-papo on-line contou com a presença de secretários municipais e estaduais, além de representantes do Ministério da Educação (MEC). Durante 15 minutos, a titular da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Kátia Schweickardt, comentou sobre as ações realizadas pela equipe pedagógica da rede municipal de ensino para garantir a aprendizagem dos alunos.

“A educação é um processo amplo e que envolve vários setores, temos mais de 242 mil alunos, que são atendidos na zona urbana e rural da cidade, com calendários escolares diferenciados. Levar conectividades para esses lugares é um custo muito alto, assim como manter esse serviço por muito tempo”, pontuou Kátia.

Manaus foi uma das cidades mais afetadas pelo novo coronavírus no Brasil e, logo após a confirmação do primeiro caso de Covid-19 na cidade, o prefeito Arthur Virgílio Neto, para evitar a propagação da doença, suspendeu as aulas presenciais, como medida de prevenção. Para ajudar a manter o fluxo de aprendizagem dos alunos, a rede municipal de ensino disponibilizou conteúdo pela TV aberta e internet.

Na ocasião, a secretária da Semed também cobrou apoio e ações ativas por parte do MEC. “A maioria das secretarias de educação precisou tomar decisões rápidas e sem apoio, sem uma coordenação nacional, isso foi muito ruim e prejudicou muito o processo no início, quem sabe agora com essa discussão, o MEC possa nos ajudar e perceber que a mudança precisa de uma coordenação, de legislações adaptadas e de uma política nacional, a partir dessa nova realidade”, completou.

Projeto de Lei 

A discussão da videoconferência foi com base o Projeto de Lei (PL) 3.477/2020, que dispõe sobre a garantia de acesso à internet, com fins educacionais, aos alunos e professores da educação básica pública. No encontro, os representantes da educação falaram da dificuldade em conseguir que todos os alunos acompanhem as aulas a distância, já que muitos não possuem internet para acompanhar as aulas.

O secretário de Educação de Pernambuco, Frederico Amâncio, elogiou as ações realizadas pela Prefeitura de Manaus e parabenizou a secretária Kátia Schweickardt pela forma como a rede municipal de educação conduziu o processo de ensino no período da pandemia.

“As redes municipais têm mostrado muita força sem apoio nacional. Eu tenho acompanhado a situação de muitas secretarias municipais e vejo que é de calamidade educacional. Se as situações das secretarias estaduais são ruins, as municipais estão muito pior, a maioria não tem nenhuma estrutura para desenvolver um trabalho semelhante ao que vem sendo desenvolvido em Manaus, com muitos desafios. É necessário um olhar especial para essas secretarias”, disse Amâncio.

A deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP), relatora do PL, também falou sobre a presença do MEC nesse novo cenário da educação no Brasil. “A gente erra muito no Brasil, achando que uma solução construída em Brasília e São Paulo vai funcionar para o país inteiro, por isso, é muito importante a participação do MEC nesse debate, para que o ministério esteja à frente de soluções como essa”, declarou.

 (*) Informações da assessoria