Presidente da Argentina envia proposta de legalização do aborto ao Congresso

Foto: Reprodução/Twitter

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, anunciou nesta terça-feira (17) que enviou ao Congresso projeto de lei para a legalização do aborto no país. Ele também disse, em vídeo publicado nas redes sociais, que a proposta inclui a obrigatoriedade de que a interrupção voluntária da gravidez ocorra dentro do sistema de saúde. As informações são do G1.

“A legalização do aborto salva a vida de mulheres e preserva suas capacidades reprodutivas, muitas vezes afetadas por esses abortos inseguros”, disse Fernández.
Durante o anúncio, o presidente usava uma gravata verde — cor usada pelas manifestantes que tomaram as ruas de Buenos Aires em 2018 nos protestos favoráveis à legalização do aborto na Argentina.

Outro projeto enviado por Fernández aos congressistas estabelece uma campanha de 1 mil dias para garantir o cuidado integral da saúde das mulheres grávidas e de seus filhos nos primeiros anos de vida.

“Minha convicção é de que o Estado acompanhe todas as pessoas gestantes em seu projeto de maternidade. Mas também é responsabilidade do Estado cuidar da vida e da saúde daquelas que decidirem interromper a gravidez”, afirmou o presidente.
Por enquanto, Fernández não deu mais detalhes sobre os pontos do projeto, como até qual mês seria possível abortar caso a legislação seja aprovada. Também não informou se há diferenças em relação ao texto rejeitado pelo Senado dois anos atrás (leia mais no fim da reportagem).

Fernández havia anunciado ainda em março que enviaria uma proposta de legalização do aborto ao Congresso. Na época, o presidente argentino disse que o aborto “acontece, é um fato”, e que as mulheres recorrem ao procedimento “em absoluto sigilo”.

Segundo o presidente, a cada ano 38 mil mulheres são internadas por causa de abortos clandestinos, e mais de 3 mil mulheres morreram por causa desses procedimentos desde o fim da ditadura militar argentina, nos anos 1980.