Projeto da Sejusc destaca notas de internos do Dagmar Feitosa no Enem

Foto: DIVULGAÇÃO

O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), realizou, nesta segunda-feira (3), a primeira edição do projeto “Curumim Pai D’Égua”, para celebrar as notas alcançadas no Exame Nacional do Ensino Médio para Pessoas Privadas de Liberdade (Enem/PPL) por internos que cumprem medidas socioeducativas no Centro Dagmar Feitosa. Ao todo, dez adolescentes, de idades entre 16 e 18 anos, fizeram a prova em dezembro do ano passado.

Dois deles, naturais de São Gabriel da Cachoeira e Lábrea, concluíram o Ensino Médio na Escola Estadual Josephina de Melo, que funciona nas dependências da unidade. A nota possibilitou aos adolescentes a chance de entrar em universidades públicas.

Os demais devem concluir esta etapa dos estudos entre 2020 e 2021. No entanto, após realizarem o Enem, o grupo surpreendeu obtendo pontuação para bolsas em instituições privadas, que podem variar de 50% a 100%.

“Isso representa uma vitória muito grande, porque muitos desses adolescentes só tiveram o acesso à educação depois que ingressaram no sistema socioeducativo e nós estamos cumprindo uma das determinações do Estatuto da Criança e do Adolescente e do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo, o Sinase”, afirmou a secretária executiva de Direitos, Edmara Castro. “É a primeira vez que adolescentes da unidade concluem o Ensino Médio com pontuação suficiente para acesso à formação superior em universidades públicas”.

Segundo Edmara, os dois internos que formaram dentro da instituição já cumpriram as medidas socioeducativas e foram liberados ainda no final de 2019. Ela explica que, a partir de agora, os jovens serão acompanhados por meio do Programa de Apoio ao Adolescente Egresso. “Dependendo do horário das universidades, vamos tentar também vagas de empregos para eles. Isso é um exemplo que a educação pode mudar vidas”, comentou a secretária executiva.

Para o diretor da unidade socioeducativa, Antonio Juracy, o resultado positivo é uma devolução para a sociedade. “É a ressocialização através de um projeto educativo, que, agora, conseguimos mensurar com os resultados do Enem”, destacou Juracy.

Internos

Com 459,03 pontos no Enem, José*, de 17 anos e São Gabriel da Cachoeira, contou que pensa em ingressar no curso de Psicologia. “É gratificante conseguir essa nota e prestar vestibular. O Enem é muito importante para que eu possa seguir a vida e ajudar a minha família. O erro que cometi, deixei no passado”, disse o adolescente.

André*, de 18 anos, está no centro socioeducativo há dez meses e disse que já participou de cursos profissionalizantes e do grupo de teatro da unidade. “Estou agarrando todas as chances que me dão. Quero sair daqui, entrar no mercado de trabalho e ajudar meu pai financeiramente”, comentou o interno que está no terceiro ano do Ensino Médio. “Já dei muito sofrimento para o meu pai, agora quero terminar os estudos, fazer faculdade de Engenharia Hidráulica e colher os frutos que semeei dentro da unidade”.

Luiz*, de 18 anos e no segundo ano do Ensino Médio, disse que está aproveitando a oportunidade que ele não teve fora do sistema socioeducativo. “Quando eu sair daqui, vou dar orgulho para minha mãe”, afirmou.

*Nome fictício para preservar a identidade dos adolescentes.

*Com informações da assessoria

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui