Projeto de busca ativa de casos suspeitos de hanseníase já foi executado em 68 escolas

Foto: Reprodução/Internet

Iniciado no mês de julho deste ano pela Prefeitura de Manaus, o projeto de Intensificação do Exame de Pele em Escolares, da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), já foi executado em 68 escolas da rede pública, com um total de 22.248 estudantes examinados.

A chefe do Núcleo de Controle da Hanseníase da Semsa, Ingrid Simone Alves dos Santos, informa que o projeto tem o objetivo de promover a busca ativa de casos suspeitos de hanseníase, atendendo, até o próximo ano, alunos matriculados em 186 escolas estaduais e municipais inseridas no Programa Saúde na Escola (PSE), desde os escolares das creches até Educação de Jovens e Adultos (EJA).

“O trabalho é executado pelas equipes das unidades de saúde que são vinculadas às escolas pelo PSE. Até o momento, entre os 22.248 alunos examinados, as equipes identificaram quatro casos suspeitos de hanseníase e 1.791 casos envolvendo outras dermatoses. Cada situação é avaliada e os alunos são encaminhados para o acompanhamento médico necessário”, afirmou Ingrid Santos.

Elaborado pelo Núcleo de Controle da Hanseníase e a coordenação do PSE, em parceria com a Fundação Alfredo da Matta e apoio das secretarias de Educação do município (Semed) e do estado (Seduc), o projeto também pretende estimular o autoexame entre alunos e familiares para a identificação precoce de casos de hanseníase.

“Para participar do projeto, alunos precisam apresentar formulário com a autorização dos pais ou responsáveis para a realização dos exames”, explicou Ingrid, reforçando que, em caso de surgimento de sintomas suspeitos da doença, como manchas na pele e comprometimento de nervos, a população deve procurar uma Unidade de Saúde para realizar os exames necessários.

Infecção

A hanseníase é uma doença infecciosa, transmissível, causada pelo bacilo de Hansen. A transmissão acontece de uma pessoa infectada com o bacilo, que não esteja recebendo o tratamento, para uma pessoa sadia, por meio de secreções nasais, tosses e espirros, a partir do convívio próximo. Com evolução lenta, a doença apresenta principalmente sinais e sintomas dermatoneurológicos: nervos e pele. Mas alguns casos não apresentam manchas na pele, apenas sintoma neurológico, com perda da força muscular e perda de sensibilidade nos nervos, podendo ser confundido com doenças como reumatismo ou Lesões por Reforço Repetitivo (LER).

Capacitação

O Núcleo de Controle da Hanseníase da Semsa iniciou na segunda-feira (18), mais uma etapa curso do básico de Prevenção de Incapacidades Físicas e Autocuidado em Hanseníase. A programação segue até a próxima sexta-feira (22), na Fundação Alfredo da Matta (FUAM), no bairro Cachoeirinha, reunindo 32 servidores da rede municipal, entre médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem que atuam em seis Unidades de Saúde: Da Paz, Deodato de Miranda Leão, Japiim, Pau Rosa, Ada Viana e na policlínica Castelo Branco.

“O curso vem sendo realizado por meio de parceria entre a Semsa e a FUAM para a capacitação de profissionais da rede municipal. É parte do trabalho que a Prefeitura de Manaus tem realizado para promover o controle dos casos de hanseníase, criando ações estratégicas para sensibilização da população e das equipes de saúde no fortalecimento da detecção precoce de casos novos, evitando assim, o acometimento de graus de incapacidades físicas nos indivíduos devido ao diagnóstico tardio”, destacou Ingrid Santos.

Entre janeiro e 14 de novembro deste ano, o município de Manaus registrou 114 casos novos de hanseníase, dos quais 13% apresentaram incapacidades físicas grau II no momento do diagnóstico.

(*) Com informações da assessoria

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui