Um das identidades falsas usavam o nome de um personal trainer que foi assassinado em Manaus - foto: Wallace Siqueira

Uma quadrilha responsável por fabricar documentos falsos para aplicar golpes em Manaus foi desmontada na tarde desta terça-feira (11). Nesta primeira ação, uma pessoa foi presa, um veículo de luxo e diversos materiais de escritório e aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos foram apreendidos. Entre as documentos falsos está do professor de dança Flávio Nascimento Soares, que foi morto em janeiro deste ano.

De acordo com o delegado Raul Neto, do 12° Distrito Integrado de Polícia (DIP), equipe responsável pelas investigações, a fábrica de documentos falsos estava funcionando em um condomínio, na Zona Oeste de Manaus. As investigações já vinham acontecendo há mais de 40 dias, após um grande número de Boletins de Ocorrência com as mesmas características, serem registrados.

Nesta terça, a polícia conseguiu prender um dos envolvidos em flagrante, tentando comprar um carro com um documentação falsa. “Eles criavam uma identidade falsa, a partir dai, com a identidade em mãos criavam um CPF e depois criavam um cartão de crédito. Usavam o cartão até estourar o limite, quando a conta chegava, começavam o processo de criação de nova identidade falsa”, detalhou o delegado.

Um veículo BMW de luxo foi apreendido. A polícia investiga a participação do bem no caso – foto: Wallace Siqueira

O homem que foi preso e levado até o 12° DIP não pode ter o nome divulgado, mas de acordo com o delegado, já tinha mais de 50 identidades falsas em seu nome. Entre elas, a do personal trainer Flávio Nascimento Soares, que foi assassinado com um tiro na nuca, na madrugada do dia 11 de janeiro deste ano, um posto de gasolina na avenida Paraíba.

Entre os itens apreendidos estão um veículo BMW de luxo (não tinha restrição de roubo ou qualquer outra irregularidade), televisores, fogão industrial, equipamentos de escritório como impressoras e notebooks, além de mais de 100 identidades e 200 duzentos cartões de crédito falsos.

Pelo menos outras quatro pessoas ainda estão envolvidas no esquema, mas a polícia vai manter as investigações em sigilo. O integrante preso nesta terça, de acordo com o delegado Raul Neto seria indiciado por falsificação de documentos.

Por Joandres Xavier – Portal Manaus Alerta