Quase 270 mil vagas estão previstas para concursos em 2020

Foto: Reprodução

O ano de 2020 deve ser marcado pela retomada das grandes seleções. Depois de um jejum que já dura cinco anos sem grandes concursos — exceto pelos certames da Polícia Federal (PF) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) lançados em 2018 —, a expectativa é de que mais de 269,5 mil vagas de níveis médio e superior sejam abertas no âmbito federal, no Distrito Federal e em Goiás, segundo balanço da coluna Vaga Garantida.

O grande número de aposentadorias e vacâncias acumuladas ao longo dos anos sem reposição conta a favor dos concurseiros. Várias áreas do governo federal estão funcionando com cerca de 40% do efetivo, como o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), o Banco Central (Bacen), a Receita Federal e boa parte das agências reguladoras e dos órgãos na área do meio ambiente.

A falta de profissionais tem afetado o bom funcionamento dos serviços públicos e motivado o Ministério Público a mobilizar a Justiça para pressionar pela abertura de concursos.

Isso ocorreu no INSS, com o fechamento de agências de atendimento ao público e a demora na análise dos processos. Também aconteceu no Ibama, por causa do crescente número de casos de desmatamento e queimadas na região Amazônica e a falta de fiscalização adequada nas barragens de dejetos em Minas Gerais.

Até áreas prioritárias do governo, como a segurança pública, sofrem com escassez de pessoal. Apesar das autorizações excepcionais de aproveitamento de aprovados tanto na PF e PRF, dobrando as 500 vagas originais de cada, o déficit é maior. Novos pedidos foram encaminhados para o Ministério da Economia com mais de 5 mil vagas.

Entraves

Aliás, o entrave nas autorizações da pasta do ministro Paulo Guedes é um dos pontos críticos para a realização de novos concursos.

Ao longo de 2019, a equipe do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) trabalhou com afinco na edição e na atualização de regras para a permissão de preenchimento das vagas existentes, bem como do uso de meios alternativos. O objetivo é evitar novas contratações, especialmente com abertura de processos internos de mobilidade e implantação de soluções tecnológicas.

O próximo passo, é o envio da proposta de Reforma Administrativa, que deve provocar mudanças significativas.

O texto pretende, entre outras coisas, reduzir a quantidade de carreiras — de mais de 300 para não mais que 30 — e mexer nos critérios de avaliação e garantia de estabilidade. Além de determinar valores bem menores que os atuais para a remuneração inicial dos novos servidores, limitando a R$ 5 mil para cargos de nível superior e R$ 2,7 mil para nível médio.

As alterações têm apoio declarado do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (Democratas-RJ), com urgência na matéria. Ele também garantiu que só vai liberar a autorização de um novo concurso da Casa depois de aprovados os ajustes, mesmo que existam mais de 800 cargos vagos — o equivalente a mais de 22% do total.

Onde estão as vagas

Das 269,5 mil vagas apuradas no balanço feito pela coluna Vaga Garantida, 254,5 mil são federais e, em sua maioria, dependem do aval do Ministério da Economia.

O maior concurso de 2020 será o do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que vai contratar profissionais para os trabalhos temporários do Censo 2020. Dois editais estão previstos para serem divulgados até fevereiro, com mais de 225 mil vagas para funções que exigem níveis fundamental e médio.

No Legislativo Federal, a situação também está mais definida. Tanto o concurso do Senado quanto o do Tribunal de Contas da União (TCU) estão autorizados, e as comissões internas preparam o projeto básico para contratação da banca examinadora. A expectativa é de que as seleções comecem no primeiro semestre.

A Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do DF (Adasa) pode ter reforço de 75 servidores. O Procon avalia as necessidades para definir o quantitativo.

A Segurança Pública espera concursos das polícias civil e militar e Corpo de Bombeiros, que, juntos, somam 3.034 vagas. Nesse caso, o custo dos novos profissionais demora um pouco mais para entrar nas contas do GDF, tendo em vista que todas as etapas do concurso levam mais de um ano para serem finalizados.

Em Goiás, alguns concursos chamam atenção dos concurseiros brasilienses. A Polícia Militar do estado deve liberar certame para 550 vagas. Ainda há estudos avançados para a realização de seleções no Tribunal de Contas estadual, no Tribunal de Justiça e no Tribunal Regional do Trabalho.

Fonte: Metrópoles