Reafirmado compromisso com a data base e ticket para todos os servidores da saúde

O pagamento do auxílio-alimentação beneficia 22.265 servidores – 16.347 da capital (entre trabalhadores da Susam e fundações) e 5.918 do interior- foto: Roberto Carlos

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) reafirmou o compromisso assumido pelo Governo do Estado, em conceder reajuste salarial aos trabalhadores da saúde, na data base, em maio, e também de retomar, já a partir deste mês, o pagamento do auxílio alimentação e estender o benefício a todos os 22,2 mil servidores da capital e do interior – apenas 3,6 mil trabalhadores recebiam o ticket, antes de ser suspenso, em 2016. A garantia foi dada pelo secretário estadual de Saúde, Francisco Deodato, em reunião com representantes de sindicatos da área da saúde, na sede da Susam, na manhã desta segunda-feira (19).

A principal pauta da reunião, a segunda realizada este mês, foi para definir a composição da Mesa Estadual de Negociação Permanente dos Trabalhadores da Saúde, por meio da qual serão discutidas, com a categoria, a questão do reajuste e outras reivindicações, como o cumprimento do Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR) do servidor da saúde, que foi criado em 2010, mas nunca foi consolidado. Na reunião com os sindicatos, também foi discutido o cronograma a ser seguido até maio, prazo para a concessão do reajuste salarial.

Já o prazo para restabelecer a mesa, com todos os representantes, é março, uma vez que precisam ser levados em conta os trâmites legais nos Conselhos Estadual e Nacional de Saúde e também na Mesa de Negociação Permanente do SUS. A mesa estadual ficou quatro anos desativada. Nesse período, o diálogo foi interrompido e a data base deixou de ser cumprida pelos governos anteriores, voltando somente agora, na nova administração, que assumiu em outubro.

Estavam presentes na reunião os representantes dos seguintes sindicatos: Sindicato dos Trabalhadores Público da Área da Saúde do Estado do Amazonas (SindSaude), Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), Sindicato dos Psicólogos do Estado do Amazonas (SINDPSIAM), Sindicato dos Cirurgiões Dentistas do Amazonas, Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde e Sindicato dos Nutricionistas.

Compromisso

De acordo com o secretário Francisco Deodato, a posição do governo e que encontra consenso entre os sindicatos que estão participando das reuniões, é que as discussões sejam feitas na mesa, que é o instrumento legal, e que nesse processo sejam definidos mecanismos para garantir que tudo o que for negociado seja cumprido, independente de quem estiver no governo.

O presidente do SINDPSIAM, Alberto Jorge da Silva, também acredita que a volta do diálogo na mesa de negociação é um bom caminho. “Como um dos membros fundadores da Mesa Estadual de Negociação Permanente do SUS, creio que estamos trilhando o caminho certo. Não existe nenhuma outra negociação mais confiável do que esta, que é feita via Mesa Estadual de Negociação Permanente do SUS. Compete à gestão indicar seus representantes. Compete à classe trabalhadora indicar suas pautas, dialogar de forma muito transparente, adulta e técnica, para que se possa chegar com propostas exequíveis, que realmente reflitam a necessidade do trabalhador da saúde do Amazonas”.

A presidente do SindSaude, Cleidinir do Socorro, falou que a retomada do ticket alimentação é uma grande conquista e que as outras reinvindicações estão sendo debatidas de forma clara, na mesa de negociação, o que considera um avanço.

O pagamento do auxílio-alimentação beneficia 22.265 servidores – 16.347 da capital (entre trabalhadores da Susam e fundações) e 5.918 do interior. É a primeira vez que servidores do interior terão direito ao benefício.

Com informações da assessoria