Política

Recuo de Bolsonaro decepciona base de apoio

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O recuo do presidente Jair Bolsonaro após insuflar a militância com falas antidemocráticas durante os atos de 7 de Setembro surpreendeu integrantes do primeiro escalão do governo e desagradou apoiadores. Carla Zambelli (PSL-SP), parlamentar bolsonarista, comparou a carta de Jair Bolsonaro à saída de Moro e declarou que ficou “um pouco frustrada” com a divulgação do recuo. Otoni de Paula, deputado da base do governo, declarou que o presidente “ficou pequeno”. Assista:

Boa parte do governo, incluindo o primeiro escalão, só soube da declaração do presidente no momento da divulgação. Integrantes criticaram o modo como o texto foi elaborado e apontaram falta de personalidade de Bolsonaro.

Um dos principais aliados, o pastor Silas Malafaia, que não só orienta o presidente, mas tem viajado com ele país afora, mostrou sua decepção nas redes sociais, mas evitou romper ou criticar o presidente. Preferiu desferir ataques a Alexandre de Moraes.

“Continuo aliado, mas não alienado. Bolsonaro pode colocar a nota que quiser. Alexandre de Moraes continua a ser um ditador da toga que resgou a Constituição e prendeu gente inocente. Minhas convicções são inegociáveis” – postou Malafaia.

Outro apoiador ferrenho de Bolsonaro, o blogueiro Allan dos Santos, do site Terça Livre, foi irônico e também evitou ataques direto ao presidente. “A nota do Temer foi para mostrar que o povo não deve exercer seu poder diretamente. Não votei no Temer”.

Parlamentares mais próximos do Palácio do Planalto preferiram o silêncio e suas últimas postagens versam ainda sobre o 7 de Setembro, com ataques ao STF. Nem tocam na nota do presidente. Nem mesmo os três deputados que estiveram com o presidente na tarde desta quinta, mediando o problema da paralisação dos caminhoneiros, trataram do assunto nas suas redes.

Enquanto a base do governo está atônita, a oposição parece se divertir com a situação de Bolsonaro, não só pelo recuo demonstrado na carta à Nação, como o autor do texto ser Michel Temer. “Só pra lembrar. A última vez que Temer foi chamado pra ajudar presidente a beira do impeachment, deu ruim” – publicou o deputado Marcelo Ramos (PL-AM), vice-presidente da Câmara dos Deputados.