Brasil

Romário defende que funk é alvo de preconceito por ser ‘de favela’

Redação..
Postado por Redação..

O samba já esteve no mesmo patamar do funk. O “alerta” é do senador Romário, relator da proposta legislativa do microempresário Marcelo Alonso, 46, que pede a criminalização do ritmo carioca e tramita no Congresso há um mês, após reunir mais de 20 mil assinaturas.

Na visão do autor do texto, o funk “é um recrutamento organizado nas redes sociais por e para atender criminosos, estupradores e pedófilos a prática de crime contra a criança e o adolescente, venda e consumo de álcool e drogas, agenciamento, orgia, exploração sexual, estupro e sexo grupal” (sic).

Em entrevista ao UOL, o jogador opinou que não acredita ser viável proibir qualquer estilo musical. “O funk dá visibilidade a uma realidade que todos preferem fingir que não existe, que é a realidade da criminalidade e violência das favelas”.

O ex-jogador chamou a atenção ainda à questão do preconceito. “O movimento de preconceito contra o funk tem a mesma raiz do preconceito que o samba já sofreu, ambos são música de preto, nasceu nas favelas e ganhou o mundo. Isso incomoda”, completou.

No entanto, Romário acredita que o debate é válido e espera convocar nomes como Anitta, MC Marcinho, Cidinho e Doca, MC Koringa, MC Bob Rum, Valesca Popozuda, Bochecha e Tati Quebra Barraco para audiência no senado.

Fonte: Noticias ao minuto

Comentários

comentários



Deixe um comentário

error: COPIAR SEM DAR CRÉDITO É CRIME!