Saiba todas as doenças que você pode pegar em um banheiro químico e como se prevenir

Foto: Reprodução

Você está em um show ou no bloco de carnaval e bateu aquela vontade de fazer xixi. Como segurar pode trazer problemas  de saúde, o melhor é procurar o banheiro mais próximo, mesmo se for um banheiro químico.

O que você pode pegar usando um banheiro químico

Uma boa parte das infecções passíveis de serem contraídas nesses locais envolve a transferência de bactérias por contaminação fecal das mãos, segundo a ginecologista Stephanie Chagas Feitosa, da Cia. da Consulta. Assim, as doenças do trato gastro intestinal são as mais frequentes.

Alguns dos sintomas que você pode ter após o uso de banheiros mal higienizados, em geral,  são: diarreia, náusea, vômito e dor abdominal. Mas, de acordo com a médica, não é motivo para pânico.

“O tratamento costuma ser simples, com a identificação correta do patógeno (agente causador de doença), uso de sintomático, hidratação oral e antibiótico em casos selecionados”, conta.

Entretanto, segundo ela, alguns patógenos exigem um acompanhamento mais criterioso, como é o caso da Salmonela e da hepatite A. Por isso é importante buscar o tratamento médico adequado no caso de sintomas anormais após o uso do banheiro químico.

Além de tudo isso, já foram identificados o vírus do HPV e da herpes em tampas de vasos e descargas sanitárias, porém não se sabe ainda se essa é uma forma de transmissão.

O que fazer para sair são e salvo do banheiro químico?

Seguir algumas dicas e esquecer alguns mitos são atitudes que vão de proteger quando bater aquela vontade de fazer xixi no meio de um evento ou bloquinho.

1. Lave bem as mãos e/ou use álcool gel

A contaminação fecal ocorre principalmente porque as pessoas não costumam lavar as mãos antes e depois de utilizar banheiros no geral. Pode parecer pouco, mas de acordo com Stephanie, nosso sistema imunológico já é muito forte e só precisa de uma ajudinha. Fazer isso já evita (e muito) a contrair doenças.

A médica lembra que uma lavagem correta envolve esfregar água com sabão nas mãos, entre os dedos e no dorso das mãos por pelo menos 30 segundos. E alerta: “Se houver contato com alguma estrutura do banheiro após a lavagem das mãos, faz-se necessário o uso de álcool gel”.

O álcool gel também é uma boa ideia na falta de pias para lavar as mãos. Se você está no meio da rua e só tem um banheiro químico, ele ajudará na sua higienização.

Outra maneira de se proteger é usando o higienizador de bolso, que serve para limpar e higienizar as tampas e os assentos do vaso sanitário, eficaz para evitar o contato com secreções e possíveis contaminações.

2. Não forre o vaso com papel higiênico!

Conforme a ginecologista afirma, devemos evitar forrar o vaso com papel higiênico, pois além de não evitar infecções, é um gasto de material não reciclável e ainda facilita quedas.

3. Evite a posição de agachamento

Aquela famosa posição de agachamento na hora da micção também não é recomendada.

Apesar de acharmos que estamos escapando do contato direto e, por isso, estamos protegidos, Stephanie diz que “essa posição enfraquece a musculatura do assoalho pélvico, podendo contribuir para infecção urinária e até prolapso de útero e bexiga”.

4. Cuidado com a descarga

Ao dar descarga em qualquer vaso, de qualquer lugar, devemos fechar a tampa. Assim, os microorganismos não se espalham para a tampa, porta, piso e suporte de papel higiênico.

5. Nada de celular no banheiro! 

Os celulares não devem ser usados em banheiros por um motivo muito simples: eles tornam o local perfeito para o crescimento de microorganismos.

Por conta disso, a médica aconselha: “Caso você já tenha usado seu celular no banheiro, lembre-se de fazer a limpeza adequada com álcool gel a 70%”.

As informações são do Ig.